Inove na decoração do espaço gourmet em sua casa

Inove na decoração do espaço gourmet em sua casa

Uma área de lazer é um local da casa no qual podemos reunir amigos e familiares. Por isso, é importante pensar na decoração do espaço gourmet. Ele pode ser organizado em qualquer área apropriada disponível, como uma varanda ou uma parte bacana do quintal — ou seja, não há necessidade de uma grande área para esse projeto.

Nesse local é possível organizar reuniões e festinhas, oferecendo aos nossos convidados um bom churrasco e seus devidos acompanhamentos: boa conversa e boa companhia.

Uma boa decoração é parte essencial da organização desse espaço, que é o que o tornará agradável, confortável e, acima de tudo, aconchegante. Para isso, é necessária uma boa organização — uma vez que para esse espaço devemos providenciar itens e acessórios indispensáveis, como eletrodomésticos, churrasqueira, entre outros que tornem o local funcional e prático.

Neste post, vamos dar algumas dicas para que você projete esse espaço e o decore de uma forma a deixá-lo gostoso e acolhedor! Vamos a elas?

Pense na praticidade da decoração do espaço gourmet

A primeira questão a se pensar na hora decoração desse espaço é em relação à praticidade. Afinal, quem dá a festa quer se divertir também, não é mesmo? Com um espaço funcional e prático tudo se torna mais simples para quem organiza o evento.

Utilizar bem o espaço é fundamental, principalmente em relação à localização dos móveis, eletrodomésticos e acessórios. Investir em balcões ou bancadas é uma boa dica, tornando tudo mais disponível no espaço.

Outra sugestão prática é a instalação de prateleiras, o que contribui para deixar o local bem decorado, além de fazer com que os acessórios que serão utilizados fiquem

bastante acessíveis também.

Providencie instalações elétrica e hidráulica

Como já falamos acima, você não pode ficar de fora da reunião, como muitas vezes ocorre com determinados anfitriões. Sendo assim, o ambiente deve ser planejado de forma a nunca lhe retirar do espaço no qual ocorre o evento.

Para isso, ao projetar o local, conte com a ajuda de um profissional, que pode ser um arquiteto ou engenheiro. Ele poderá dar algumas orientações nas questões relativas a instalações elétricas e hidráulicas.

Deverá ter no local uma pia e uma torneira para limpeza. A parte elétrica deve ser bem projetada também, com a instalação de tomadas para colocação de eletrodomésticos, como freezer, geladeira, entre outros. E não se esqueça da iluminação, visto que eventos à noite são deliciosos!

Considere a manutenção do espaço

Na hora do projeto, pense que o local deverá ser limpo com frequência, principalmente por ser um espaço onde serão preparados pratos com gordura e que, certamente, necessitará de limpeza frequente. Sendo assim, você deve pensar em um piso apropriado e de fácil manutenção.

A dica, nesse caso, é a escolha de um piso de porcelanato ou cerâmica. São materiais que tornam a limpeza bem mais prática. Pisos rústicos também combinam com o espaço, em especial os retificados que simulam madeira para combinar com uma decoração que deve incluir um jardim.

O que não pode faltar nesse espaço

1. Churrasqueira adequada 

A churrasqueira é um item que deve ser escolhido de acordo com o tipo e tamanho do ambiente. Locais pequenos pedem churrasqueiras menores, de preferência as do tipo elétrica, a bafo ou a gás — que são as que fazem menos fumaça, ideais para locais com pouco espaço e menos ventilados.

As de alvenaria com chaminés, mais tradicionais, são ideais para locais maiores, como uma casa com quintal amplo e uma área maior dedicada ao espaço gourmet.

2. Guarda-sol, tenda ou ombrelone

Essas três opões são ótimas para proteção contra o sol, em reuniões organizadas durante o dia e em locais que tenham uma parte do espaço ao ar livre. Além de proteger contra o sol, alguns modelos também oferecem um bom abrigo contra a chuva, se ela resolver aparecer de repente.

3. Eletrodomésticos fundamentais

Alguns eletrodomésticos não podem faltar em um espaço gourmet. Será necessário, para manter as bebidas geladas, um frigobar ou uma geladeira. Um cooktop (mais prático e elegantes que o fogão), um forno elétrico e um grill são elementos muito úteis em um espaço gourmet, que serão necessários para o preparo dos acompanhamentos do churrasco e os demais pratos que você quiser servir.

4. Vasos de plantas

Outro detalhe decorativo que não pode faltar em um espaço aconchegante são os vasos de plantas. Eles tornam esse ambiente mais acolhedor, remetendo ao jardim de uma casa. Além disso, dão um colorido especial ao local.

Para decoração desse espaço, é bem comum deixar um cantinho para colocar aqueles vasinhos lindos de tempero, que além de serem usados para preparar variados pratos, ficam um charme!

5. Móveis e acessórios essenciais para a decoração do espaço gourmet

Os móveis que vão compor o ambiente devem ser muito bem escolhidos. Confira:

Prateleiras e armários

Para manter tudo organizado e prático, nada como armários e prateleiras para se ter tudo que precisarmos à mão. Armários superiores e gabinetes encaixados na pia são ótimas opções e acomodam tudo que se precisa para as reuniões, como panelas, pratos, copos e taças, entre outros.

Mesa

Pode ser um móvel de madeira proporcional ao tamanho do local e que comporte o número de convidados que costumam comparecer às reuniões que você organiza. Geralmente, esses ambientes pedem móveis com materiais mais rústicos, como, no caso, a madeira.

Bancos

Bancos compridos são muito utilizados nesse tipo de local, visto que contribuem para a a interação das pessoas. Você pode tornar o ambiente mais charmoso, colocando sobre o banco vários futons, que são almofadas muito utilizadas para tornar os bancos de madeira mais confortáveis.

Carrinho de churrasco

Ele vai ajudar muito na hora de preparar o churrasco. É um acessório perfeito para o espaço gourmet, uma vez que oferece mobilidade e funcionalidade. Além disso, esse móvel pode ser utilizado tanto no espaço gourmet, quanto na cozinha, ou seja, é útil em qualquer dos dois ambientes.

Como você pôde ver neste post, não é tão complicado tornar a decoração do espaço gourmet de sua casa algo agradável e acolhedor, não é mesmo? Aproveite nossas sugestões e mãos à obra! Receba seus amigos e familiares neste local encantador.

E aí, gostou deste post? Confira, então, em nosso site várias dicas de acessórios que podem contribuir ainda mais com a decoração de toda a sua residência! Você vai amar!

Como incrementar flores na decoração?

Como incrementar flores na decoração?

Infalíveis em qualquer ambiente, as flores na decoração são um coringa precioso. Além de trazerem beleza e conforto para a casa, flores são elementos sem contraindicações, bem apreciadas para todas as situações e estações do ano.

Elaborar uma decoração com flores requer a combinação de estilo próprio, conhecimento de espécies e um mergulho na criatividade. Cada casa possui uma personalidade, que pode ser acentuada ou transformada com a presença de pétalas e folhagens por seus ambientes.

Confira neste texto algumas sugestões de como incrementar a casa utilizando flores na decoração. Veja quais são os acessórios que podem trazer nuances diferentes na ornamentação e entenda quais são os tipos mais indicados para cada caso. Não deixe de acompanhar! 

Trabalhe em cima de cores e tons

Usar os elementos da própria casa para se inspirar é uma boa dica na hora de compor os arranjos florais. As cores predominantes dos cômodos podem orientar as escolhas, seja para a harmonia ou para o contraste de tons presentes no ambiente.

Tendência em alta no design de interiores, os estilos minimalista e nórdico são bons estilos para estimularem as ideias nos ambientes mais neutros, como banheiro, lavabo e halls, ou trazer aconchego para varandas e jardins internos.

Cores vibrantes na decoração podem ser contrabalanceadas com flores menores e mais discretas. Tons pastéis e claros combinam com flores mais vistosas, em arranjo único ou adereçadas de modo simples.

Tenha vasos especiais para ocasiões especiais

Quando a ocasião pede uma decoração mais elaborada, deve se investir mais nos adereços de ornamentação, especialmente, nos vasos. Seja para uma recepção em comemoração de formatura, aniversário, casamento ou bodas, os vasos devem acompanhar a sumptuosidade da situação.

Os vasos de vidro são versáteis e perfeitos para cerimônias, já que podem expressar tanto neutralidade quanto criar bases bem compostas para a decoração.

Os modelos altos são muito elegantes e combinam com ambientes onde há vários elementos para enfeite. Também há os pequenos e mais discretos, ideais para arranjos individuais, centros de mesa e enriquecer as louças e componentes do decór.

Use as louças da casa para criar um ambiente aconchegante

Para criar ambientes mais aconchegantes, utilizar louças que fazem parte do conjunto são uma ótima ideia para reuniões mais íntimas, como sessão de cinema em casa, jantar com a família ou mesmo em uma noite mais romântica do casal. Essa tendência está super na moda, e, além de ser prática, é uma dica que não tem como ficar a cara dos donos da casa.

As cerâmicas de temática étnica e coloridas dão um toque de alegria sem trazer peso para a decoração. Combine flores mais leves para garantir suavidade e conforto visual. Flores de cabos curtos ficam lindas organizadas em xícaras de chás e pequenas tigelas, que podem ser organizadas em cantos mais discretos como em cima do aparador da sala, no quarto de hóspedes ou no quarto do casal.

Renove os vasos antigos com fitas e rendas

Quem possui vasos e cerâmicas e quer dar uma nova cara para eles, uma boa pedida pode ser ornamentá-los com fitas, cordas e rendas. Simples voltas ao redor da peça podem trazer um novo ar e devolver o uso daquele objeto que estava parado no armário.

A corda de sisal, por exemplo, é ótima para trazer um clima rústico e campestre. Fica lindo em vasos de vidro e compoteiras organizadas em ambientes externos.

As rendas podem ser colocadas para criar um ambiente mais romântico, para eventos que tenham um teor afetivo e que demandem um toque especial.

Fitas de cetim comemoram com brilho e graça bodas de casamento e festas de 15 anos, deixando o arranjo mais sofisticado, principalmente, se a comemoração for realizada à noite.

Não deixe de aproveitar as flores depois de secas

Mesmo tomando todas as providências para manter as flores saudáveis e inteiras, alguma hora ela vai secar. Mas nem por isso o buquê se torna inutilizado, pelo contrário: a desidratação das flores pode revelar ainda outra beleza, aproveitável para outros arranjos ou combinações.

Por isso, quando o buquê começar a dar sinais de esmorecimento, guarde as pétalas que forem caindo ou retire o conjunto e deixe-o secar, controladamente, em um ambiente com muito sol.

Depois de completamente desidratadas, as flores na decoração podem ser dispostas de muitas maneiras: nos pratos e pires dos vasos, de modo mais orgânico; pendurados em molduras e varais, criando um pendente com o conjunto íntegro; preenchendo vasos e outros objetos de vidro, jogando com a transparência.

As flores secas combinam com ambientes mais bucólicos e selvagens, trazendo beleza de modo muito sutil à casa em dia de reuniões com amigos.

Aprenda a conservar as flores na decoração da casa

No entanto, a regra geral é garantir a durabilidade dos arranjos com algumas poucas e simples medidas. Cortar o caule em ângulo de 45º é uma maneira de aumentar a superfície de contato com o líquido de sua nutrição, garantindo plantas mais fortes e saudáveis.

Uma pequena dose de vodca ou de água sanitária pode ser adicionada à água dos vasos para potencializar o tempo de duração das pétalas. Se for fazer um arranjo com muitas peças, faça uma grade com fita adesiva no vaso e organize melhor cada flor, sem machucá-las.

O ideal para ter flores bonitas é ter atenção na estação do ano para escolher as espécies corretas. Confira alguma das flores típicas de cada uma delas:

Verão

Na estação mais quente do ano, as cores invadem o jardim e trazem flores mais suntuosas. Perfeitas para dias alegres, as espécies mais indicadas para o verão são as zínias, dálias, hibiscos, petúnias, margaridas, rosas e, claro, os girassóis!

Inverno

Em temperaturas baixas, escolha flores que resistam aos climas mais congelantes, não se esquecendo de retirar as folhas assim que elas amarelarem. As espécies mais indicadas para essa estação são as azaleias, orquídeas, begônias, lírios e ciclames.

As flores na decoração podem estar apenas nos detalhes da composição ou serem a protagonista da festa! Aproveite os momentos de inspiração para criar arranjos com personalidade e bom gosto.

Para iluminar a criatividade, que tal dar uma olhada nesses artigos florais e deixar a imaginação voar um pouquinho?

Alerta: veja 7 erros de decoração que você não pode cometer

Alerta: veja 7 erros de decoração que você não pode cometer

Pessoas que sempre recebem amigos e parentes para confraternizações em casa costumam ser mais preocupadas com o clima e a decoração do espaço e gostam de ter tudo sempre impecável, não é mesmo? Por isso, cometer erros de decoração está fora de questão!

Quem gosta de cuidar da casa da melhor maneira possível costuma estar sempre buscando informações sobre as últimas tendências nesses assuntos. Mas, para não cometer erros é fundamental estar atento a alguns aspectos bem importantes na hora de decorar a casa.

Pensando nisso, listamos os erros mais comuns que você não pode cometer ao decorar a sua casa, já que simples detalhes podem comprometer todo o visual da residência. Continue a leitura e confira!

1. Ignorar proporções

Quando o assunto é decoração, considerar as proporções é um requisito indispensável para alcançar os resultados idealizados. Compreenda que ao comprar móveis e adquirir objetos decorativos é fundamental saber com antecedência se eles possuem uma dimensão proporcional ao espaço que vão ocupar. Essa cautela prévia evitará trocas e maiores aborrecimentos na hora de organizar o espaço como um todo.

Saiba que o mesmo cuidado deve ser tomado na escolha das cortinas, que precisam estar em equilíbrio com o ambiente e, por esse motivo, não devem ser nem muito longas, nem muito curtas.

Outro item que requer zelo na hora de ser escolhido são os tapetes — que precisam ter medidas proporcionais aos móveis e não podem terminar antes do sofá, por exemplo. Entenda que eles são utilizados na decoração para delimitar os espaços e, por esse motivo, precisam ter suas proporções alinhadas ao tamanho dos móveis utilizados em cada setor da casa.

2. Esquecer de considerar a circulação

Por falar em proporções e espaços, é imprescindível considerar o espaço de circulação de pessoas nos ambientes que serão decorados. Por mais bonitos e sofisticados que sejam os móveis e objetos de ornamentação escolhidos, se não existir espaço suficiente para as pessoas transitarem sem esbarrar em nenhum desses elementos, toda a decoração estará comprometida.

Pior que isso, o efeito obtido será totalmente contrário ao desejado — já que a sensação transmitida será de excesso e exagero. Por essa razão, meça o tamanho do ambiente e o tamanho dos móveis que deseja comprar antes de tomar qualquer decisão.

3. Encher os ambientes de objetos

Uma vez que estamos abordando os pecados cometidos na hora de decorar a casa, é muito importante observar a questão dos excessos, já mencionada anteriormente.

Para que os ambientes possam ter uma certa leveza e um clima aconchegante, é muito importante não encher os espaços com muitos objetos e enfeites. Por mais que você ame fotografias ou um determinado item, não convém exceder os limites do bom senso e transformar a casa em um verdadeiro brechó desses itens.

Muitos porta-retratos ou muitos enfeites do mesmo objeto, por exemplo, com certeza cansarão o olhar e comprometerão a beleza da decoração do ambiente por inteiro.

4. Temer o uso das cores e exagerar na neutralidade

Muitas pessoas temem tanto os excessos que acreditam que devem ser minimalistas ao extremo — até mesmo no uso das cores. Claro que a tendência minimalista na decoração é muito elegante, mas mesmo esse estilo é receptivo a pitadas de cores em determinados objetos de decoração.

Almofadas, mantas, tapetes e enfeites além dos quadros podem — e devem — trazer um pouco de cor aos espaços decorados com tons muito claros e neutros. Isso porque, sem o uso das cores, esses ambientes podem ficar excessivamente frios e impessoais.

5. Seguir todas as tendências de estilo

O ramo de decoração, assim como a moda, frequentemente lança tendências que começam a ser massivamente divulgadas em lojas, revistas, na internet e até mesmo nas novelas e não há mal nenhum em adotar uma ou outra tendência do momento na decoração da casa.

O grande problema começa quando, na tentativa de abraçar tudo que há de mais novo no mercado, a residência perde a identidade do seu dono e passa a ser um mix desconexo de todas as novidades que estão fazendo sucesso naquele período.

Para não cair nesse erro, procure adquirir elementos que possam se integrar ao estilo de decoração já existente e não esqueça de sempre dar preferência para peças mais neutras com um toque atemporal. Desse jeito, a decoração da sua casa ficará linda do jeito que você sempre sonhou.

6. Descuidar da decoração da varanda

A varanda é mais um cômodo da casa e, por isso, merece a mesma atenção e cuidados que os demais ambientes. Porém, é muito comum que esse espaço seja esquecido e não receba nenhuma decoração especial.

Evite cometer esse erro, pois com a decoração certa para a varanda, você ganha mais um espaço que pode ser bastante utilizado, principalmente em almoços e jantares com os amigos e familiares.

Para uma decoração linda, aposte em cadeiras confortáveis e um projeto paisagístico que possa trazer mais conforto e beleza ao espaço. Alguns spots de luz bem posicionados e uma mesa de centro complementam esse setor sem complicações ou gastos excessivos.

7. Apostar em móveis estilosos, mas desconfortáveis

Não caia na tentação de comprar móveis de designers famosos sem antes analisar de perto a funcionalidade deles. Nem sempre beleza e conforto andam juntos e ninguém vai querer investir rios de dinheiros em móveis assinados que sejam extremamente desconfortáveis e que não atendam aos pressupostos básicos para o qual foram feitos.

Mesmo que seus olhos brilhem ao imaginar essa peça na sua residência, fuja dessa armadilha e escolha itens que reúnam beleza, estilo e funcionalidade em uma única peça. Essa deve ser a meta no momento de escolher a mobília, pois ao seguir essa dica infalível você não corre o risco de errar!

Como demonstramos, decorar um ambiente não uma tarefa muito simples — ao contrário, pode ser bastante complicada. Por isso, é essencial ficar atento as nossas dicas. Lembre-se que ao decorar é importante visualizar o ambiente como um todo e, para isso, é necessário fazer um bom planejamento para alcançar o resultado desejado. 

Agora que você já conhece os principais erros de decoração que você não pode cometer na sua casa, assine nossa newsletter e receba todas as nossas novidades diretamente no seu e-mail!

pessoa sentada depois de montar home - office

5 dicas para montar um home office super produtivo

Trabalhar em casa pode ser desafiador, afinal, montar home office significa criar os próprios horários e não ter um chefe para observar o seu desempenho de perto dá liberdade à rotina. Com isso, é fácil cair na tentação de checar as redes sociais a todo o momento ou verificar as notificações no celular.

A procrastinação reflete negativamente no desempenho e o dia pode não render como o esperado. No entanto, é possível vencer esse desafio e utilizar o benefício de estar em casa para trabalhar de forma ainda mais produtiva.

Para te ajudar na tarefa de montar home office, separamos 5 dicas que tornarão o espaço superprodutivo e adequado as suas funções. Confira a seguir!

1. Mantenha o ambiente longe de perturbações

A fim de tirar o máximo proveito, é fundamental ter um cômodo organizado e que ofereça o necessário para exercer os seus deveres. A organização, inclusive, é um aspecto que aumenta a concentração, o que auxilia na entrega de melhores resultados.

Dessa forma, a escolha do cômodo que será destinado ao escritório é determinante para a organização e para a produtividade. Se ele ficar misturado à sala, as chances de bagunça aumentam e, principalmente, há o risco de se desconcentrar.

Por isso, o ideal é optar por um ponto silencioso e tranquilo na casa. Priorize um local longe dos barulhos da rua e que não sirva de passagem para todos no lar. De preferência, o lugar precisa ter uma porta, que deve ser mantida fechada.

2. Invista nos móveis certos

Outra dica indispensável para montar home office de maneira produtiva é comprar os móveis adequados. É preciso que tudo seja planejado para o escritório e isso significa, por exemplo, investir corretamente na mesa e na cadeira.

Também é interessante considerar ter uma estante ou um armário, dependendo da quantidade de elementos que serão armazenados.

Para fazer boas aquisições, pense na área disponível e no uso da peça. Uma mesa pequena não será conveniente para uma ilustradora ou arquiteta, por exemplo. Pondere suas necessidades e escolha itens de qualidade e com durabilidade.

3. Preze pela ergonomia

A ergonomia trata da relação entre o ser humano e os objetos, principalmente de trabalho. Se ela for bem aproveitada, é possível garantir conforto, segurança e até proteção ao seu corpo, pois evita dores crônicas e desconfortos.

Ao selecionar a composição do home office, portanto, considere esse aspecto. Opte por uma mesa na altura certa, bem como por uma cadeira com o devido conforto. Aposte em elementos que se ajustem ao seu corpo e que ajudem a trabalhar com bastante qualidade.

4. Conte com a iluminação adequada

Montar home office também significa definir como ele deve ser iluminado. Não adianta ter os móveis perfeitos se não houver conforto visual. Portanto, é preciso ponderar a relação entre iluminação natural e artificial.

No primeiro caso, favoreça a entrada de luz do dia. Prefira um cômodo com janela e tenha uma cortina para controlar a passagem de luminosidade. Nos dias quentes, evite a incidência intensa de raios solares para não prejudicar a climatização.

É fundamental montar uma iluminação artificial e direcionada com uma luminária de qualidade. Ela ajudará o trabalho a render mais à noite e evitará a sensação de cansaço visual.

5. Tenha itens de auxílio ao trabalho

Além dos dispositivos eletrônicos, como computador ou notebook, é preciso ter os utensílios certos no espaço. É o caso de dispor canetas, blocos de anotações e agenda, por exemplo. Já um timer ajuda a executar técnicas para a criação de ciclos produtivos.

Também é válido possuir um kit para escritório, que conta com porta-lápis e objetos multiuso. Para evitar a bagunça, tenha um item para armazenar miudezas. Ele deixará tudo sempre à mão, mas sem gerar desorganização.

Para otimizar o ambiente, é possível encontrar excelentes opções de produtos tanto em lojas físicas quanto online. Assim, o espaço recebe o que é necessário!

Ao seguir essas dicas, a tarefa de montar home office produtivo fica fácil. Não se esqueça de manter tudo organizado e aproveite os melhores resultados.

Quer fazer compras de alta qualidade? Então, conheça os acessórios para escritório da La Ville e crie o local perfeito!

alguns exemplos de uvas para vinhos

Descubra 12 uvas para vinhos que você não conhecia

Na hora de receber os amigos, fazer um jantar em família ou até apreciar uma boa comida, o vinho é uma pedida certeira. Em diferentes variações, é cheio de sabores, aromas e experiências. Por isso, conhecer as uvas para vinhos é um jeito de ter sempre a garrafa certa por perto.

Além das versões famosas que existem mundo afora, há algumas variações que merecem atenção especial. Quanto mais você conhecer, mais fácil será de harmonizar!

Para que não restem dúvidas, veja 12 uvas para vinhos e como usá-las a favor do paladar!

1. Cabernet Sauvignon

Um dos cruzamentos mais famosos e bem-sucedidos, a uva Cabernet Sauvignon tem sabor marcante e características únicas. A casta surgiu da união entre Sauvignon Blanc e Cabernet Franc e é a mais cultivada no planeta.

É uma das uvas para vinhos de sabor incomparável e de aroma único. Os componentes do rótulo encorpado trazem notas de pimenta ao seu aroma, o que proporciona um ar rústico e forte à bebida.

Sua origem é a região de Bordeaux, na França, mas hoje é produzida com sucesso em outras áreas, como na Argentina, África do Sul e Chile — onde ela domina o mercado.

Na hora de harmonizar é preciso seguir no mesmo caminho encorpado. Ou seja, ele funciona para entradas apimentadas e para o prato principal.

Carnes pesadas, como as vermelhas, contêm gordura e proteína que combinam por causa dos taninos que limpam o paladar. Também é ideal para algumas massas e risotos marcantes, como os com especiarias.

Por outro lado, frutos do mar podem destacar o sabor metálico, enquanto produtos com muitos conservantes, como molhos prontos, alteram o paladar.

Para não perder nenhuma característica dessa uva tão famosa, veja um raio-X da alternativa:

  • Tipo de vinho: tinto encorpado;
  • Aroma: levemente apimentado, com toque distante de frutas vermelhas e eucalipto.
  • Sabor: complexo e estruturado, com grande quantidade de taninos.
  • Harmoniza com: carnes vermelhas e com grande teor de gordura, massas, risotos e comidas com um toque de pimentão.
  • Evite: frutos do mar, carnes muito leves (como o frango) e produtos altamente industrializados.

2. Merlot

Ainda na classificação dos tintos, o Merlot é uma uva igualmente famosa no mundo e originária de Bordeaux. Em geral, essa cepa é bastante utilizada em vinhos novos.

Seu amadurecimento é rápido e a adaptação é bem grande. Com isso, o Brasil também produz a uva que forma excelentes rótulos para ter na adega.

O aroma depende do padrão adotado. Ele varia desde ameixas maduras e com características aromáticas até uma bebida com aroma suave de morangos e framboesas.

Quanto ao sabor, não é tão ácido e os taninos são suaves. Com isso, o gosto não é tão pronunciado e é recomendado para quem não procura um tinto muito forte.

Como tem níveis intermediários de doçura e acidez, é ideal para aves, frios leves, legumes e massas com molho vermelho.

Por outro lado, as comidas apimentadas não são boas escolhas. Elas “poluem” o paladar e podem tirar todo o brilho dessa uva. As folhas cruas e os peixes talvez se percam na combinação de sabores.

  • Tipo de vinho: tinto macio;
  • Aroma: altamente aromático de ameixas maduras ou levemente cítrico de framboesa e morango;
  • Sabor: suave, com taninos macios e menor acidez;
  • Harmoniza com: aves, carne vermelha, massas de molho vermelho bem condimentado, frios e quase todos os queijos;
  • Evite: frutos do mar, vegetais e folhas cruas e peixes muito suaves.

3. Malbec

Outra entre as uvas para vinhos que devem fazer parte do seu bar é a Malbec. Ela forma vinhos escuros e aromáticos e que têm grande personalidade.

É originária da região de Bordeaux, mas ganhou projeção de verdade na Argentina. Com a excelência da produção do país sul-americano, o vinho Malbec foi alçado a um novo patamar. Também é encontrada em países como Itália e Austrália, cujas condições climáticas favorecem o seu desenvolvimento.

O sabor é intenso e, principalmente, pertinente. Essa uva faz com que a bebida, por si só, já seja uma experiência profunda.

Quanto ao aroma, é bastante marcante. As frutas vermelhas maduras e de casca escura, como ameixa, destacam-se nesse sentido. Algumas versões, principalmente as argentinas, trazem um toque levemente floral.

Por causa da intensidade, é ideal para pratos como pato, cordeiro, crostini de ervas e cogumelos. Nozes, alho e cebola também funcionam na combinação.

A mesma qualidade faz com que ele deva ser evitado em preparações leves ou com sabores pouco pronunciados, como peixes e outros frutos do mar ou legumes sem gosto marcante.

  • Tipo de vinho: tinto seco e encorpado;
  • Aroma: frutado, principalmente de ameixa madura. Notas de baunilha e violeta também aparecem;
  • Sabor: encorpado, de grande permanência e com leve e agradável amargor;
  • Harmoniza com: pato, carré, cordeiro, churrasco, ervas finas e preparações à base de cogumelos.
  • Evite: sabores pouco destacados, como frutos do mar e legumes crus ou de pouca intensidade.

4. Carménère

Quem também pode marcar presença entre suas taças e copos é a Carménère. Essa cepa é muito famosa e consumida no Brasil. É de origem francesa — novamente, Bordeaux é a área inicial da produção.

No final do século XIX, ela quase foi extinta por uma praga na Europa. Para os amantes da bebida, a cepa já era cultivada no Chile e, com isso, o vinho com suas características voltou a figurar no mercado.

Essa é uma das uvas para vinhos que formam um tinto cheio de personalidade e que é usado em blends variados. O líquido tem uma tonalidade um pouco menos escura do que os rótulos já apresentados. Diferente dos outros, a uva Carménère oferece um vinho de tom avermelhado e intenso, cheio de qualidades.

O seu aroma tem toques especiais, com uma mistura entre pimenta e frutas como a amora. Quando é oriundo de barris de carvalho, carrega notas de chocolate ou caramelo.

Quanto ao sabor, é menos forte que o de um Cabernet Sauvignon, mas não é tão delicado quanto os de taninos suaves. Tem personalidade, mas fica em um espaço de transição.

Como os taninos não são tão fortes, não combina tanto com carnes com muita gordura. Cortes como cordeiro e filé mignon se adaptam corretamente. As massas — destacadamente, com molho à bolonhesa — funcionam bem, assim como queijos curados e peixes gordos.

Para aproveitar ao máximo os sabores, evite uni-lo a saladas, pratos leves, frutos do mar ou carnes com excesso de gordura.

  • Tipo de vinho: tinto encorpado clássico;
  • Aroma: intensamente frutado com um toque de pimenta preta. O odor pode variar até notas de tabaco ou chocolate se for amadurecido em madeira;
  • Sabor: taninos de leveza intermediária, acidez elevada e presença marcante;
  • Harmoniza com: carnes de corte relativamente magro, lasanha, queijos amadurecidos e peixes com um nível maior de gordura;
  • Evite: outros frutos do mar, saladas leves e carnes muito gordurosas, como aves exóticas.

5. Syrah

A Syrah é uma das uvas para vinhos mais antigas do planeta. Originária da França, principalmente, ganhou importância quando entrou na região francesa de Bordeaux.

A bebida que dela se origina é forte, marcante e cheia de personalidade. Como forma um tinto bem encorpado, é uma opção perfeita para quem sabe apreciar um vinho de qualidade.

O aroma é bastante característico e flutua de frutas negras, como o mirtilo, até a azeitona, a pimenta preta, a menta e o tabaco.

O líquido de coloração escura é marcado por algumas notas herbáceas, de especiarias e com acidez moderada. Ao mesmo tempo, o paladar oferece um frescor bastante único para um tinto tão encorpado.

A principal indicação de harmonização é com as carnes, como assados, churrascos e opções vermelhas. As escolhas que não forem tão ácidas casam com aves e carnes magras, enquanto os leves vão bem com as comidas repletas de especiarias, como a pimenta.

Para que o sabor do vinho não apague o da refeição, evite os frutos do mar, os blends leves de carne e os molhos ácidos.

  • Tipo de vinho: tinto encorpado;
  • Aroma: notas de frutas negras, como amora e mirtilo, pimenta preta, coco, menta, tabaco e azeitona preta;
  • Sabor: acidez mediana combinada com persistência e paladar marcante, além de notas frutadas e herbáceas;
  • Harmoniza com: carnes com nível moderado a alto de gordura, como assados, churrascos e linguiças especiais, além de comidas apimentadas e exóticas;
  • Evite: frutos do mar, molhos com acidez elevada e carnes ou vegetais de sabor muito leve.

6. Pinot Noir

Você provavelmente já ouviu o nome de uma das uvas para vinhos mais famosas do mundo: a Pinot Noir. A cepa vem de Borgonha, na França, e é admirada desde a época da nobreza europeia em seus castelos.

A uva forma um tinto menos escuro, de tom avermelhado intenso e saboroso. Contudo, um Pinot Noir original tem que vir da Borgonha, que detém os “direitos” sobre o título.

O aroma é parcialmente frutado e parcialmente floral. De uma taça dessa bebida emanam notas de cereja e framboesa, bem como de canela e violeta. As garrafas produzidas em alguns lugares também apresentam um leve aroma de baunilha.

Já o paladar tem um toque amadeirado, doçura intermediária e acidez média para alta. Ele tem grande capacidade de envelhecimento e oferece sabores complexos.

Na hora de fazer a harmonização culinária, opte por pratos com cogumelos, leguminosas e com misturas agridoces. Alguns frutos do mar, como a lagosta, também combinam com a bebida, assim como frango com molho intenso.

Para aproveitar a complexidade, evite pratos com vinagre e carnes muito gordurosas.

  • Tipo de vinho: tinto de médio corpo;
  • Aroma: mistura entre pontos frutados e florais, como a canela, violeta, frutas vermelhas e baunilha;
  • Sabor: a doçura intermediária é unida a uma acidez de nível intermediário e sabor pronunciado de carvalho nos mais envelhecidos;
  • Harmoniza com: pratos agridoces com frutas, lagosta, combinações de frango com molho forte e cogumelos;
  • Evite: carnes gordurosas e pratos com vinagre, como saladas de folhas cruas.

7. Tannat

Se você já conhece alguma coisa de vinho, nem que seja os que leu nos parágrafos anteriores, sabe que os taninos são fundamentais na composição. O Tannat, seu nome revela, é uma uva com um nível elevado desses elementos.

Ela vem de Madiran, na França, mas hoje já é muito cultivada no Uruguai, que faz dela a protagonista de sua viticultura.

Originalmente, era usada para produzir um tinto de qualidades rústicas. Nos dias atuais, ganhou um toque de requinte por ser uma escolha clássica e com características únicas.

O sabor inclui uma acidez pronunciada e os taninos atuam na limpeza do paladar de um jeito eficiente. Os aromas principais ficam entre frutas negras, alcaçuz e tabaco. Os envelhecidos têm notas, inclusive, que lembram o couro.

A melhor combinação é com carnes vermelhas e cortes gordurosos como o pato. Também funciona com vegetais intensos, como o nabo.

Por ter intensidade elevada, não serve muito para carnes magras, nem frutos do mar e queijos de cura leve.

  • Tipo de vinho: tinto encorpado clássico;
  • Aroma: notas de frutas negras e de alcaçuz aparecem combinadas com as de tabaco e couro;
  • Sabor: a acidez pronunciada gera um gosto marcante, pertinente e de grande intensidade;
  • Harmoniza com: cortes gordos de carne, como o pato e bifes suculentos, além de com vegetais amargos;
  • Evite: comidas com paladar que possa ser ofuscado, como frutos do mar, queijos leves e vegetais crus.

8. Chardonnay

A Chardonnay está entre as uvas para vinhos famosas. É a Cabernet Sauvignon das castas brancas e uma das mais consumidas.

Apesar de ser originária da Borgonha, ela se espalhou por todos os continentes e, hoje, é cultivada com sucesso na Califórnia, na Argentina, na Austrália e na África do Sul.

Os novos têm aromas cítricos, como de limão e maçã. Enquanto isso, os envelhecidos em carvalho apresentam notas de baunilha, manteiga e mesmo de torrada. Também variam entre maçã verde e pera a pêssego, abacaxi e até avelã.

Quanto ao sabor, a leveza e a doçura são maiores nos envelhecidos. Já os novos têm doçura intermediária e acidez elevada.

As combinações culinárias são diversas, já que é um vinho para abrilhantar e destacar as principais características da comida. Queijos pastosos, como o Brie, formam ótimos sabores na composição, assim como ostras, saladas e até sobremesas de frutas. Os envelhecidos também harmonizam com salmão, sardinha, frango e vieiras.

Como qualquer branco de corpo médio, essa é uma das uvas para vinhos que não funciona com pratos de paladar marcante, como os apimentados ou amargos. Ingredientes ácidos ou muito doces são igualmente dispensáveis.

  • Tipo de vinho: branco de corpo médio;
  • Aroma: de maçã verde, pera e limão a baunilha, manteiga, torrada, abacaxi e avelã.
  • Sabor: a doçura e a acidez variam entre média e alta e ambas dependem da idade do vinho, que é leve e refrescante;
  • Harmoniza com: frutos do mar, peixes oleosos, queijos pastosos, saladas, ervas aromáticas e sobremesa de frutas, como crumble ou torta de maçã;
  • Evite: ingredientes ácidos, doces ou com sabor muito intenso.

9. Sauvignon Blanc

Oriunda de Bordeaux, na França, a Sauvignon Blanc é uma casta bastante reconhecida. Como visto, ela deu origem à uva de vinho tinto mais famosa do planeta, então merece a sua atenção.

Atualmente, é cultivada na Itália, na Nova Zelândia e no Chile, mas está, de verdade, em todo o mundo. Com características especiais, forma um vinho branco seco e de sabor inigualável.

O líquido que sai das garrafas é bem claro, praticamente transparente e tem um aroma único. As notas misturam limão, maracujá, groselha e até flor de sabugueiro.

O sabor é marcado por um gosto doce com toque amadeirado e acidez intermediária. A intensidade também não é muito elevada, o que o torna versátil e agradável.

Sua melhor combinação é, de longe, o queijo de cabra por causa de sua qualidade diferenciada de gordura. Funciona com saladas que usam esse queijo, bem como com truta, salmão e atum.

Quando tirar a rolha de uma garrafa como essa, passe longe de molhos cremosos ou ácidos e de carnes grelhadas.

  • Tipo de vinho: branco seco;
  • Aroma: frutas cítricas misturadas a aromas doces e levemente florais, como da groselha;
  • Sabor: doçura e acidez intermediárias, com proeminência do toque do carvalho sem pesar a intensidade;
  • Harmoniza com: queijo feta, saladas frescas com esse ingrediente e peixes de águas profundas, como o salmão;
  • Evite: molhos cremosos e ácidos, assim como carnes grelhadas.

10. Prosecco

O Prosecco não é, exatamente, um tipo de vinho. Na verdade, ele é um rótulo italiano muito famoso e que merece destaque graças à sua intensa popularidade.

Tem diferentes graus de perlage, ou seja, as bolhinhas de gás carbônico que compõem os espumantes e suas variações. É originário de Veneto e feito com a uva glera, um tipo branco que origina um vinho saboroso, leve e perfeito para os dias quentes.

O sabor é marcante e doce, com notas de maçã verde, pera, melão e mel. Mesmo assim, a acidez na medida evita que seja doce demais. O aroma mistura notas cítricas e florais, o que o destaca.

Essa escolha borbulhante é perfeita para aperitivos e para servir com a entrada de um jantar completo. Ao mesmo tempo em que funciona com bruschettas e canapés, por exemplo, também vai com molhos cremosos e frutos do mar. Como serve para limpar o paladar, complementa a comida de um jeito satisfatório.

Por ser doce, é ótimo para sobremesas. Para casamentos no estilo bolo e espumante, é uma excelente escolha. No Natal, é o rótulo perfeito para degustar o panetone!

Por ser leve, não combina com comidas muito apimentadas ou de sabor intenso. Apesar de limpar o paladar, a quantidade baixa de taninos não é indicada para carnes gordurosas.

  • Tipo de vinho: branco leve e borbulhante;
  • Aroma: qualidades cítricas misturadas a um leve aroma floral;
  • Sabor: tem nuances de maçã verde, pera, mel e melão, com um tom doce agradável e sem peso;
  • Harmoniza com: entradas e aperitivos diversos, frutos do mar, molhos cremosos e sobremesas;
  • Evite: carnes pesadas, gorduras e comidas com um sabor muito pronunciado.

11. Moscato Giallo

De origem italiana, a Moscato Giallo é uma uva conhecida por sua cor amarela e que gera um vinho muito especial. Trata-se de uma variação do famoso Moscatel, mas, mesmo assim, ainda não é uma cepa tão difundida.

O branco formado por essa uva tem uma coloração amarelada e ele é bastante límpido. O sabor, por sua vez, é fino, estruturado e capaz de trazer um toque refrescante. Ao mesmo tempo, é leve e pouco ácido.

O aroma é marcado por notas cítricas — destacadamente, a de maçã verde. Também atinge aromas de mel e flores leves, o que o torna uma alternativa aromática e marcante.

Por causa de sua leveza, é indicado para pratos refrescantes, como saladas verdes, folhas cruas, aperitivos e frutos do mar. Funciona, ainda, com queijos leves e massas de molho branco. A característica do Moscatel e a temperatura baixa de consumo o tornam uma alternativa para sobremesas.

As piores combinações são as muito fortes e que matam a sutileza da bebida. Carnes vermelhas ou com excesso de gordura, comidas apimentadas ou com molhos ácidos são escolhas ruins.

  • Tipo de vinho: branco seco;
  • Aroma: notas de mel, maçã verde e rosas brancas, as quais dão origem a uma combinação muito aromática;
  • Sabor: acidez reduzida, corpo médio e persistência intermediária criam um paladar refrescante e suave;
  • Harmoniza com: queijos leves e de pouca cura, frutos do mar, saladas tropicais e até com sobremesas;
  • Evite: comidas de sabor muito pronunciado, como as apimentadas, com muita gordura ou elevada acidez.

12. Riesling Itálico

A uva do vinho Riesling Itálico é uma alternativa pouco conhecida mundialmente, mas que tem uma excelente produção no Brasil. Apesar de ser menos consumida que as demais, é uma ótima pedida para impressionar naquele happy hour em casa com os amigos, por exemplo.

Originalmente, as uvas para vinhos da cepa Riesling são alemãs e eram produzidas na região do Reno. Depois, ocuparam áreas do Norte da Itália e porções próximas ao Leste Europeu. Esse vinho branco apresenta qualidades únicas, leves e de consumo muito fácil. A cor dourada, quase palha, cria um visual diferente, com aroma que varia entre o cítrico das frutas amarelas e o floral.

Ele tem acidez grande, mas o sabor não é tão marcante. Isso o torna uma excelente alternativa, já que é bastante sutil. Não tem muita persistência no paladar, mas oferece uma experiência agradável.

Por causa da sua sutileza, essa uva funciona bem com comidas de mais personalidade. Suas características o transformam em ótima opção para comidas apimentadas, especialmente as das culinárias indiana e tailandesa. As carnes que combinam melhor são a de porco, o frango, o camarão e o caranguejo, enquanto cenoura, abóbora e coco são acompanhamentos adequados.

Por causa da acidez elevada, alguns molhos, como o de tomate, devem ser evitados. Comidas doces, como sobremesas ou preparações agridoces, também precisam ficar longe.

  • Tipo de vinho: branco leve
  • Aroma: cítrico de frutas amarelas, como damasco e abacaxi, e leves notas florais;
  • Sabor: acidez elevada aliada a taninos muito suaves, de paladar leve e pouco persistente.
  • Harmoniza com: comidas apimentadas, frutos do mar, carnes magras e vegetais e tubérculos, como a cenoura;
  • Evite: sobremesas, combinações dentro da faixa doce e comidas ácidas, como tomates e certos tipos de queijo.

Agora que você conhece alguns dos melhores tipos de uvas para vinhos, prepare-se para tirar os tipos de taça certos e aproveite a versátil e saborosa bebida em suas diversas variações!

Gostou destas dicas? Assine nossa newsletter e esteja sempre por dentro de novidades e toques imperdíveis!