como usar talheres de acordo com as regras de etiqueta

Afinal, como usar talheres sem erro?

Ser convidado para um jantar ou um almoço elegante pode ser assustador e você acaba tremendo só de pensar naqueles vários talheres dispostos sobre a mesa. Afinal, como essas regras não são utilizadas no nosso dia a dia, é realmente confuso entender qual a finalidade de cada um deles.

No entanto, em algumas ocasiões é importante saber para o que servem e como utilizá-los. E para ajudar nisso, reunimos aqui várias informações para você aprender como usar talheres de um jeito bem simples. Continue lendo o texto e nunca mais passe aperto nos eventos sociais!

Entenda a importância de aprender como usar talheres corretamente

Há quem diga que as regras de etiqueta caíram em desuso. Entretanto, conquistar boas práticas à mesa vai muito além de decorar um monte de regras ultrapassadas. Muito pelo contrário!

Aprender a se portar, garante que você consiga entrar e sair de qualquer ambiente com classe e naturalidade. Isso inclui um jantar com o seu chefe na empresa em que trabalha, na casa de parentes e até mesmo no apartamento daquela pessoa com quem você pretende fazer negócios.

Por isso, quando esse tipo de comportamento se mostra natural, você transmite uma imagem cheia de credibilidade e sucesso, como uma pessoa capaz de se comportar de forma adequada em qualquer ambiente. Com isso, você já vai estar um passo à frente nos negócios e na sua vida social.

Aprenda a usar o garfo e a faca

Com a evolução da sociedade, as regras de etiqueta também se desenvolveram. Por isso, felizmente você não precisa decorar milhares de detalhes e regrinhas para comer bem em uma ocasião social. Com relação ao garfo e à faca, o Brasil costuma seguir o modelo europeu.

Isso quer dizer que devemos segurar o garfo com a mão esquerda e a faca com a mão direita. Entretanto, não é errado cortar os alimentos com a mão direita e depois trocar de mão para comer, embora não seja a opção mais elegante. Por fim, coloque porções pequenas no garfo e jamais gesticule com os talheres na mão. Não é nada elegante fazer isso.

Na hora de pôr a mesa, o princípio é o mesmo. Os garfos ficam à esquerda, e as facas, à direita. Se você for servir algo que demande o emprego de colheres, elas também devem ser colocadas à direita.

Descubra onde apoiar os talheres

Uma parte importante sobre como usar talheres, é saber o que fazer com eles quando não estiver usando-os. Nesse caso, a primeira dica é não deixar que o cabo toque a mesa. Eles devem ficar inteiramente apoiados no prato.

A posição em descanso pode dizer muito, especialmente em um restaurante sofisticado. Para indicar que já terminou e que está satisfeito, apoie os talheres de maneira vertical e em paralelo. Isso vai sinalizar ao garçom que ele pode retirar o prato.

Se quiser indicar uma pequena pausa, coloque os talheres na posição 8h20, ou seja, formando um “V” invertido. No entanto, é importante que as extremidades não fiquem sobrepostas, isso demonstra que você não está gostando da comida, o que pode ser uma ofensa ao anfitrião ou chef.

Se forem servidos mais de um prato e você ainda quiser continuar a comer, apoie os talheres paralelos ao prato, na horizontal. Isso quer dizer que até aquele momento você está apreciando a refeição.

Aprenda a cortar os alimentos com elegância

Cortar os alimentos pode ser um momento bastante dramático. Alguns são escorregadios ou podem estar duros, e isso realmente vai colocar à prova as suas habilidades com o uso apropriado dos talheres.

No entanto, há coisas que fogem ao nosso controle, não é mesmo? E se uma gafe desse tipo acontecer, o jeito é dar risada, levar na esportiva e se divertir com o momento. Rir dos momentos constrangedores é muito chique, pode ter certeza!

No entanto, para diminuir a chance de passar por esse tipo de situação, segurar a faca de maneira adequada é fundamental. Nesse caso, o importante é jamais apoiar o dedo indicador na lâmina, por mais difícil que seja cortar o alimento. E não segure os talheres com a mão fechada: a maneira correta é apoiá-los nos dedos e usar o indicador delicadamente sobre o cabo para ganhar precisão.

Descubra como usar talheres para os vários tipos de alimentos

Agora que você já sabe como segurar os talheres e o que fazer com eles durante a refeição, está na hora de aprender quais são os mais usados e suas principais funções. Sabe aquela dica de “ir pegando de fora para dentro”? É mais ou menos isso!

Mas para entender por que eles são dispostos dessa maneira, vale a pena ler mais um pouquinho do nosso texto.

Talheres para salada e entrada

Eles são menores que os talheres principais e em uma mesa elegante são os que estão mais afastados do prato. Isso se justifica já que, em geral, as saladas são servidas antes dos demais pratos do cardápio.

Talheres principais

É basicamente o garfo e a faca que você vai usar para a refeição principal. Eles ficam sempre posicionados bem ao lado do prato.

Talheres de peixe

Se o menu tiver algum peixe, você precisará usar talheres específicos. A faca de peixe tem um formato que lembra um losango. Geralmente é disposta entre a faca de salada/entrada e a faca principal, assim como o garfo é posicionado entre o garfo de entrada e o principal.

Colheres

As colheres sempre ficam posicionadas na região mais afastada do prato, ao lado das facas. Afinal, sopas e caldos costumam ser servidos como entradas. A maneira correta de utilizá-las é de lado — e nunca, jamais, faça nenhum som de sucção ao usar uma colher.

Talheres de sobremesa

São os menores e também os últimos a ser utilizados. Eles variam de acordo com a sobremesa servida e estarão sempre dispostos na parte superior do prato, próximos à faca de manteiga. Esta última se diferencia das demais por não trazer serrilhas e geralmente fica posicionada sobre o prato de pão.

Entender como usar os talheres é uma habilidade importante, tanto para quem vai comparecer a eventos formais quanto para quem deseja promover jantares elegantes em casa. Não tenha medo de experimentar. Convide seus amigos e familiares para treinar, coloque uma mesa bonita e use talheres de boa qualidade.

Observe que os modelos com cabos de plástico e formatos desencontrados empobrecem a produção. Embora possa parecer complicado de entender como usar os talheres, na realidade, basta praticar. Quanto mais experiência você tiver, mais natural, simples e elegante seu desempenho à mesa será colocado em prática!

Quer criar mesas harmônicas e mais sofisticadas para receber seus convidados e aprimorar suas habilidades? Entre em contato com a gente e conheça inúmeras opções para a sua mesa.

cardápio vegano sendo preparado

Saiba como montar um cardápio vegano perfeito para seus amigos!

O estilo de vida vegano consiste em não consumir nada que tenha origem animal. Além da carne, inclui também o leite, ovos e o couro, por exemplo. Geralmente, quem é adepto a esse lifestyle procura levar a proposta para todos os aspectos da vida. Entretanto, se você vai receber amigos em casa ou está no começo da sua transição, um bom cardápio vegano já é um excelente início.

Para ajudar você a criar um menu variado, prático e saboroso, reunimos nesse post algumas receitas incríveis que você pode fazer em um evento especial ou no seu dia a dia mesmo. Continue lendo o texto e separe um espacinho no seu caderno de receitas. Vale a pena, pode apostar!

 

amigos aproveitando um belo cardápio vegano

 

 

Entenda mais sobre o veganismo

Antes de começar a pensar nas receitas que pode fazer, você precisa ter em mente o que significa ser vegano. Muito além da alimentação, trata-se de um estilo de vida baseado em evitar qualquer tipo de crueldade com os animais. Isso abrange consumir produtos provenientes da exploração realizada pela indústria alimentícia.

Assim, quando o assunto é comida, ser vegano significa abrir mão de qualquer gênero alimentício que tenha origem animal, seja de maneira direta ou indireta. Ou seja, leite, ovos, queijos, manteiga e até mesmo o mel são evitados. No entanto, embora seja um tipo de dieta bastante restritiva, é possível criar pratos saborosos e muito nutritivos. Basta um pouco de criatividade e boa vontade.

Aprenda a montar um cardápio vegano

Para criar um bom cardápio vegano, você precisa aprender a usar ingredientes que não sejam tão usuais. Farinha de coco e amêndoas, leite de coco, todos os tipos de vegetais, cogumelos, grãos, sementes, temperos e especiarias são algumas dessas belas opções.

Que tal conhecer algumas receitas que separamos para você arrasar na hora de montar um cardápio vegano? Elas são práticas e saborosas. Até quem não é vegano vai gostar, pode ter certeza!

 

 

Biscoitos de banana e aveia

Seja para o café da manhã, seja para o lanche da tarde, os biscoitos sempre caem muito bem. Para fazer essa receita bem simples, você não vai precisar de muitos ingredientes. Junte 2 bananas amassadas, 200ml de aveia em flocos, 1 colher de sopa de óleo de coco, 1 pitada de fermento e 2 colheres de cacau em pó (que você pode substituir por canela ou castanhas trituradas).

Para iniciar o preparo, deixe o forno aquecer previamente. Em um recipiente, misture a banana com aveia, óleo de coco, fermento e cacau, até formar uma massa homogênea. Unte uma assadeira ou forma de pizza. Coloque uma colher da massa de cada vez, formando pequenos bolinhos. Em seguida, leve ao forno e deixe assar por cerca de 20 minutos. Sirva na hora com café.

Pão de queijo vegano

Essa é mais uma receita que você pode colocar no seu cardápio vegano para o café da manhã ou lanche da tarde. Separe 300g de batata baroa picadinha, 200g de polvilho doce, 50g de polvilho azedo, 1 pitada de fermento, 100ml de água, 5 colheres de óleo de coco e 1 pitada de sal.

Cozinhe, então, a batata até ficar macia e, depois de escorrer, amasse bem até formar uma massa. Em seguida, deixe o forno aquecendo e misture em um recipiente os dois tipos de polvilho com o fermento. Reserve.

Pegue uma panela e coloque para ferver a água, o óleo de coco e o sal. Quando estiver fervendo, jogue sobre as farinhas, acrescente a batata e continue misturando até que fique homogênea. Unte uma forma, faça pequenas bolinhas e coloque para assar por aproximadamente 50 minutos. Sirva quentinho!

 

Esfirra de espinafre

Essa já é uma receita que também pode ser consumida tanto no almoço quanto no jantar, especialmente se você estiver com pouco tempo na sua rotina. O espinafre é uma ótima fonte de ferro e de proteínas. Portanto, é altamente nutritivo!

Reúna 1 tablete de fermento fresco, um copo americano de água morna, meia xícara de óleo, 1 pitada de sal, 1 pitada de açúcar e 5 xícaras de farinha integral. Para o recheio, separe uma porção generosa de espinafre e temperos a gosto.

Para preparar a massa, comece dissolvendo o fermento em um recipiente, junto com o açúcar e o sal. Em seguida, adicione a água, o óleo e a farinha. Por sinal, a farinha deve ser colocada aos poucos e de forma delicada.

Feito isso, é hora de amassar. Misture tudo com as mãos em uma bacia ou em superfície untada com farinha. Quando a massa estiver homogênea, deixe-a descansar por meia hora. Para isso, coloque a mistura em um recipiente seco e coberto com um tecido.

Você pode ir preparando o recheio enquanto espera! Separe as folhas do espinafre e lave bem para evitar larvas e outras impurezas. Então, refogue os temperos, como alho e cebola, usando um fio de azeite. Quando estiverem ligeiramente dourados, acrescente o espinafre com um pouquinho de água.

Depois que a massa estiver pronta, separe em porções do tamanho aproximado da palma da sua mão e amasse, formando um tipo de disco. Coloque o recheio no centro, modele a esfirra e coloque para assar por cerca de 35 minutos em forno pré-aquecido.

 

cardápio vegano sendo preparado

 

Macarrão à carbonara

Se você deseja fazer uma refeição mais encorpada e surpreender seus amigos e familiares, essa é uma excelente opção. Para essa preparação, você precisará de 300g de macarrão sem ovos, 200g de bacon vegano ou outro equivalente, alho, sal, 2 colheres de azeite ou óleo de coco, 1 unidade de tofu macio, 1 saquinho de natas de aveia, tempero a gosto e queijo vegano.

Cozinhe o macarrão com o sal. Refogue em outra panela, os temperos com o bacon vegano ou equivalente. Em um terceiro recipiente, junte a nata de aveia com o tofu macio e temperos a gosto.

Por fim, adicione o macarrão na frigideira com o bacon refogado, adicione a mistura de tofu com nata de aveia e mexa até que fique cremoso. Sirva com o queijo vegano e um bom vinho.

Se você gosta de receber pessoas em casa, com certeza essas receitas de cardápio vegano vão fazer muito sucesso. Escolha uma louça bonita e capriche na decoração da mesa para deixar o ambiente mais harmonioso e agradável. Vale a pena usar flores, taças coloridas e guardanapos. Não se esqueça ainda de colocar acessórios e talheres adequados para que as pessoas possam se servir da maneira correta e evitar a contaminação cruzada.

E então? Gostou das receitas? Não feche seu caderninho ainda! Continue com a gente e aprenda 6 receitas imperdíveis para o outono.

tipos de cafeteira: nespresso

Conheça os diferentes tipos de cafeteira e escolha a sua

Investir em uma boa cafeteira resulta em um café de qualidade, ou seja, com um sabor delicioso e na temperatura ideal. Entretanto, existem muitas máquinas no mercado e cada qual com suas características que podem definir o valor do produto. Na verdade, alguns modelos se destacam pela funcionalidade e design que, além de tudo, ainda decoram a sua cozinha.

Então, se você deseja comprar um modelo que supra suas necessidades, selecionamos alguns tipos de cafeteira mais comuns encontrados no mercado. Quem sabe você não encontre alguma que se encaixe no que deseja? Confira!

Você sabe a diferença entre café coado e espresso?

Para você saber a cafeteira que mais se encaixa às suas necessidades, é importante entender a diferença entre os dois tipos de café: coado e espresso. Sendo assim, neste post você terá uma noção do que é cada um deles.

O café coado está no nome, ele passa por um coador e é feito com o pó em repouso sobre o filtro. A água passa por ele e, assim, vai incorporando o sabor.

No espresso, por sua vez, a água passa com pressão, o que potencializa o sabor e o aroma da bebida. O expresso tem um gosto mais concentrado quando comparado ao coado, e isso faz que com o sabor fique muito mais acentuado.

Quais os tipos de cafeteira existentes no mercado?

Podemos encontrar uma grande variedade de modelos de cafeteiras no mercado. Isso gera uma dúvida incrível no consumidor. Confira, então, as principais diferenças entre elas e escolha a sua.

Cafeteira elétrica

É ainda a mais utilizada, principalmente por oferecer preços mais populares. Seu surgimento marcou uma nova forma de consumir café. Trata-se de um modelo bem prático e se você souber escolher a marca certa, poderá obter cafés bem saborosos.

Baseia-se em colocar a quantidade indicada de pó em um coador e a água em um compartimento separado, depois é só esperar ela fazer tudo sozinha.

Cafeteira Italiana

A cafeteira italiana seduz o consumidor pelo seu design retrô, que é uma graça. Pode ser elétrica ou manual. Seu uso se baseia em colocar a água na base e o café em um compartimento especial e não há necessidade do filtro de papel. Depois é só aguardar e apreciar o sabor dessa bebida deliciosa.

 

tipo de cafeteira: italiana

 

Cafeteira de café espresso

A máquina tem um design bem moderno e encanta qualquer apreciador da bebida. É utilizada por aqueles que apreciam aquele cafezinho com sabor bem intenso e concentrado. Seu diferencial consiste em preparar o café de forma bem prática, mas em porções individuais.

Cafeteira francesa

O modelo não é elétrico e seu funcionamento baseia-se na utilização de uma prensa com um filtro que preserva o óleo do café e isso, certamente, garante mais sabor à bebida.

Seu manuseio consiste em colocar água quente na jarra e misturar o café, deixando-o em infusão por cerca de 4 minutos. Depois é só acionar o pistão para baixo e assim filtrá-lo totalmente.

Cafeteira de cápsulas

A cafeteira de cápsulas é o must do momento, o sonho de consumo de muitos donos e donas de casa. A praticidade é que a porção de café já vem dosada e seu método é parecido com a da superautomática, porém o pó é inserido em cada xícara.

Cafeteira aeropress

Nessa máquina a pressão do ar empurra o pó contra o filtro se parecendo muito com a cafeteira francesa. Prepara um café que se assemelha ao espresso, mas sem usar a eletricidade.

Cafeteira turca

Trata-se de uma das técnicas mais antigas de fazer café e muito popular entre os árabes. A bebida é feita utilizando um pó bem mais fino que o convencional e que não é coado, mas sim adicionado à água, assemelhando-se a um café solúvel.

Cafeteira globinho

Esse tipo de cafeteira se parece com um objeto de laboratório, pois conta com um design bem diferenciado. O modelo não é elétrico e a bebida fica com a temperatura ideal devido à chama na parte inferior da peça.

O pó é inserido na região superior da cafeteira e a água no globo inferior. À medida que a água ferve, ela sobe e, dessa forma, prepara o café. A título de curiosidade, esse tipo é bem antigo, surgiu na Alemanha, no século XIX.

Quais os cuidados para não errar na escolha de sua cafeteira?

Como você conferiu, cada um dos tipos de cafeteira disponíveis no mercado oferece uma maneira distinta de preparar o café. É muito importante pesquisar e checar o que pensam os consumidores acerca de cada um dos modelos e marcas, pois o preço e a qualidade podem variar muito. Confira como escolher a sua!

 

tipo de cafeteira: cafeteira elétrica

Priorize suas necessidades

Avalie a quantidade que você ou sua família consome. Isso é importante na hora de escolher o tamanho do produto, pois de nada adianta uma cafeteira linda e prática, mas que só faz duas porções por vez.

Conheça bem seu gosto

Ter uma boa noção do café que prefere — se é aquele com o sabor mais forte ou mais suave — é muito importante, pois a cafeteira nesse detalhe interfere bastante.

Não compre o produto pela aparência

Uma cafeteira com um design bonito e que enfeite a sua cozinha é ótimo, mas se ela não atende às suas necessidades de nada servirá.

Seja exigente na escolha do café

A marca interfere muito no sabor final. É comum pessoas escolherem cafeteiras bem funcionais e modernas, mas o principal não sabem, que é escolher um bom café. Por isso, não esqueça que optar por uma boa marca pode fazer toda a diferença.

Agora que você já conhece os principais tipos de cafeteira, escolha logo a sua. Mas, não se esqueça de seguir nossas sugestões para obter cafezinhos saborosos e de qualidade. Afinal, um bom café engloba vários itens que vão desde a escolha da cafeteira até a qualidade da marca dessa bebida tão saborosa!

Gostou deste post? Para, então, não errar na sua escolha, o que acha de consultar nossas opções de cafeteiras? Escolha a que mais tenha a ver com suas necessidades de consumo. Afinal, é um investimento que você fará e acertar é o que você quer, não é mesmo?

tipos de queijos

Confira 7 tipos de queijos e como usá-los na gastronomia

Os queijos são alimentos deliciosos e geralmente agradam a todos. Eles podem ser servidos no café da manhã, no jantar, na ceia de Natal, nos barzinhos e restaurantes (como petiscos), e ainda podem fazer parte de sanduíches, pastéis e compor outras iguarias.

Um dos segredos do queijo é saber harmonizá-lo na mesa. Há queijos que combinam muito bem com alguns tipos de vinhos e com carnes. Na verdade, as opções são muitas e vamos mostrar algumas ao longo do texto. Veja a seguir 7 tipos de queijos e aprenda como usá-los corretamente na gastronomia!

1. Gruyère: o famoso queijo suíço

Trata-se de um tipo muito antigo de queijo. Com sua casca dura, é ideal para preparar fondue, um prato muito solicitado no inverno. Outra característica do queijo Gruyère são os famosos buraquinhos. Seu sabor é frutado com um toque picante e leve aroma de nozes. Seu uso gastronômico é variado. O queijo suíço combina bem com gratinados e sopas. Veja agora uma deliciosa ideia de preparação.

Legumes ao molho mornay

Ingredientes:

  • 2 colheres de sopa de queijo Gruyère cortado em cubos;
  • 2 colheres de sopa de queijo Parmesão picado;
  • 2 pequenas porções de brócolis;
  • ½ couve-flor;
  • 2 cenouras;
  • 1 xícara de chá de leite aquecido;
  • 2 colheres de sopa de farinha de trigo;
  • 4 colheres de sopa de manteiga em temperatura ambiente;
  • pitadas de sal e pimenta do reino.

Modo de preparo:

Os legumes devem ser cozidos em água com sal individualmente para ficarem crocantes. No liquidificador, bata o leite, a farinha, os queijos e metade da manteiga por 10 segundos. Depois, coloque em uma panela para cozinhar por 3 minutos (fogo baixo). Adicione pimenta e sal. Quando for servir, coloque o resto da manteiga, mexendo bem. Coloque os legumes em um prato e despeje os molhos sobre eles.

2. Gorgonzola: macio e quebradiço

O Gorgonzola está entre os tipos de queijos azuis. Sua origem é italiana, com sabor intenso, textura quebradiça e macia. É um dos tipos de queijo que fica bem derretido na faca e está entre os mais saborosos queijos originários da Itália.

O Gorgonzola combina bem com molhos e pastas. Mas não se limita a essa combinação: também pode ser servido com frutas, como maçã, pera e pêssego. Outra sugestão é saboreá-lo com vinho tinto.

3. Brie: quanto mais velho, melhor

Vamos agora falar de um queijo francês. A França é muita conhecida por seus requintes. O Brie apresenta uma característica curiosa: seu sabor fica mais intenso à medida que envelhece. Além disso, tem a reputação de ser um dos melhores tipos de queijo do mundo!

Ele pode ser produzido a partir de leite cru ou pasteurizado. Dispõe de casca branca e, interiormente, é muito cremoso. Combina com geleia, pão (principalmente torradas), frutas (como a uva itália) e risotos. Fica delicioso na bruschetta crocante de pera com brie e salada.

 

4. Muçarela: o italiano que os brasileiros adoram

O queijo Muçarela tem origem italiana, mas é muito apreciado pelos brasileiros. Existem muitas receitas das quais ele participa. O sabor é suave, a textura é macia e elástica. É considerado um queijo fresco e maturado. Como tem um pH mais alto, seu derretimento é rápido. A elasticidade decorre da filagem, um processo em que a massa ainda fresca sofre esticamento e compressão repetidamente. Geralmente, é vendido em fatias.

O queijo Muçarela combina bem como recheio em diversos pratos como pizzas, lasanhas e tortas de frango. Apesar de ser originário do sul da Itália, já é bastante produzido no Brasil. Na verdade, é o queijo mais produzido no país, ocupando 30% do mercado nacional!

Até agora falamos do Muçarela de leite de vaca. Mas existe também o Muçarela de leite de búfala. Também italiano, é vendido em bolinhas, no soro ou salmoura. Pode ser consumido sozinho ou acompanhado por saladas.

5. Parmesão: três tipos de queijos básicos

A origem do Parmesão também é na Itália. Mas, assim como o Muçarela, tornou-se popular no Brasil. É muito consumido ralado sobre massas, sendo de natureza dura e quebradiça. Sua casca é escura e muito oleosa. Há três tipos básicos de Parmesão:

  • o Parmesão propriamente dito, que leva um período superior a seis meses para maturar;
  • o montanhês, cujo período de maturação é de quatro meses;
  • o premium, que pode ficar até três anos para maturar.

Veja uma deliciosa receita com queijo Parmesão.

Cestinha de Parmesão com salada agridoce

Ingredientes:

  • 3 saquinhos de queijo Parmesão ralado;
  • alface picada;
  • 1 pacote com seleção de legumes congelados (com ervilha e milho);
  • 1 xícara e ½ de peito de peru defumado e picado em cubos;
  • 100 gramas de uvas-passas;
  • 100 gramas de vagem em palitos pequenos e cozidos em água e sal;
  • 2 colheres de sopa de maionese;
  • 2 maçãs verdes sem casca, em cubinhos;
  • pimenta-do-reino, sal, azeite e limão.

Modo de preparo:

Coloque 4 colheres de sopa de queijo ralado em uma frigideira aquecida e espalhe. Quando o queijo começar a derreter, tire-o da frigideira e molde em forma de cesta com a ajuda de um copo. Depois que esfriar, remova o molde.

Para fazer a salada, misture todos os ingredientes em uma tigela, menos a alface. Arrume as cestinhas em uma travessa, coloque a alface picadinha sobre as cestinhas e, por cima, salpique 4 colheres de sopa cheias de salada. Depois, é só servir.

6. Roquefort: o queijo de leite de ovelha

Este tipo de queijo está entre os queijos de origem francesa. Também é um queijo de veias azuis, com características semelhantes às do Gorgonzola. É produzido a partir do leite de ovelha (ou cabra) e leva um período superior a três meses para envelhecer. Tem sabor acentuado, picante. Durante sua fabricação, são injetados fungos. O acompanhamento mais comum envolve molhos, pães e frutas, como uva, figo e noz. Confira uma receita deliciosa com Roquefort.

Parafuso com molho de Roquefort

Ingredientes:

  • 100 gramas de queijo Roquefort;
  • 1 xícara de chá de creme de leite;
  • 250 gramas de macarrão parafuso;
  • 2 colheres de sopa de manteiga;
  • 2 dentes de alho;
  • sal e pimenta-do-reino a gosto.

Modo de preparo:

Com a ajuda de um garfo, amasse o queijo em uma tigela e misture o creme de leite e a manteiga. Tempere com pimenta e sal. Mexa com uma espátula e reserve. Em 3 litros de água com sal, cozinhe o macarrão até ficar “al dente”. Desligue o fogo, escorra o macarrão e coloque em uma travessa. Em uma panela, unte o alho e coloque o molho reservado. Então, aqueça até ferver. Distribua sobre o macarrão e sirva.

7. Coalho: um queijo bem brasileiro

De origem nordestina, o queijo coalho é famoso nas praias, onde é vendido assado como espetinho, tal como acontece com as carnes. Uma característica importante é que ele não leva fermento em sua fabricação. Desse modo, ele demora em derreter, o que favorece sua comercialização na forma de espetinho.

Apresentamos apenas alguns dos diversos tipos de queijos existentes. Sabia que existem facas especiais para cortar queijos? Vale a pena conferir um ótimo kit.

Agora que você já sabe como fazer deliciosas receitas com queijos, que tal se aprimorar ainda mais na gastronomia? Aprenda dicas sobre como harmonizar vinhos!

medidas na cozinha para condimentos das receitas

Medidas na cozinha: como isso influencia no resultado do prato?

Quando se fala em medidas na cozinha, qualquer erro na hora de preparar um prato pode ser fatal. Isso porque toda receita deve ser feita seguindo um passo a passo com vários ingredientes e quantidades. Se você errar na proporção de um item sequer, o seu delicioso preparado pode não dar certo.

Já imaginou você na cozinha desenvolvendo uma receita deliciosa para os seus convidados e o prato preparado com tanto carinho não ir à mesa pelo simples fato de você ter deixado faltar umas graminhas a mais de determinado produto? Seria muito frustrante, não é mesmo?

Pensando nisso, desenvolvemos este post com várias dicas sobre medidas na cozinha para você acertar sempre nas suas receitas. Além disso, falamos um pouco sobre os principais utensílios para cozinha que ajudam na hora de cozinhar.

Quer saber mais sobre o assunto? Então acompanhe o post até o fim!

Dicas para ajudá-la a acertar as medidas na cozinha

Pessoas amantes de uma boa culinária e que adoram cozinhar sabem muito bem porque uma receita desanda. Certamente, alguma medida faltou ou passou do ponto certo.

Por esse motivo, apresentamos a seguir algumas dicas que farão com que você não erre mais nas proporções dos ingredientes de seu prato.

Conheça os métodos e padrões de medidas usados na cozinha

A medida certa é um dos principais fatores que pode definir a qualidade do seu prato. Por isso, seguir essa dica é fundamental para que a sua receita saia sempre conforme o esperado. Para isso, se faz necessário conhecer bem as conversões de medidas na cozinha.

Farinha de trigo e fermento em pó

  • 1 colher de sopa = 25 g
  • 1 xícara de chá = 120 g
  • 1 colher de chá = 7,5 g

Líquidos

  • 1 colher de sopa = 15 ml
  • 1 xícara de chá = 240 ml
  • 1 colher de chá = 5 ml
  • 1 colher de café = 2,5 ml
  • 1 copo americano = 250ml

Açúcar

  • 1 colher de sopa = 12 g
  • 1 xícara de chá = 180 g

Sal

  • 1 colher de sopa = 20 g
  • 1 colher de café = 5 g

Chocolate em pó

  • 1 colher de sopa = 6 g
  • 1 xícara de chá = 100 g

Para que as medidas na cozinha fiquem sempre certas, é necessário respeitar exatamente essas proporções. Mas lembre-se de que as quantidades devem ser rasas, ou seja, quando for medir na xícara, copo ou colher, a recomendação é passar a faca (do lado contrário ao corte) rente à borda do medidor para retirar o excesso do ingrediente.

Tenha as ferramentas certas

Uma comida saborosa é essencial para o sucesso de uma refeição. Porém, para que ela atinja o ponto ideal é necessário utilizar as ferramentas certas. Assim, além de acertar na receita, você também poderá cozinhar com mais agilidade.

Para medir os ingredientes de uma receita de forma correta é necessário saber que existem dois métodos de quantificação dos produtos: a medição por capacidade e a medição por massa.

  • capacidade: é a medida em litros ou mililitros (mL);
  • massa: é a medida em gramas ou miligrama (mg).

Na grande maioria das receitas, a medida mais utilizada é em gramas. Para fazer essa medida certinha é essencial ter uma balança calibrada. As de bancadas são muito comuns e fáceis de serem encontradas, principalmente em e-commerces. No caso de não ter uma dessas em casa, você pode utilizar a tabela de conversão e fazer as medidas em xícaras ou em colheres.

Para as medidas em capacidade, em geral, as ferramentas mais utilizadas são colheres de chá, sopa e xícaras. Alguns profissionais, dependendo da região do Brasil, também utilizam muito como medida padrão de capacidade o copo de requeijão, o qual tem capacidade para medir 200 mL dos líquidos.

Ao referir a proporções por xícaras e colheres de sopa e de chá, não estamos falando desses utensílios comuns que temos em casa. São ferramentas específicas próprias para o uso na culinária. São medidas padronizadas, o que significa que se você trocar a ferramenta técnica pela comum, pode ser que a sua receita não dê certo.

Anote as medidas de cada prato em um caderno ou bloco de anotações

Nem sempre conseguimos acertar uma receita de cabeça, a não aquela que fazemos com muita frequência. Mesmo assim, na correria do dia a dia e com tantos acontecimentos inusitados que passamos, ainda corremos o risco de esquecer algum ingrediente ou medida.

Por isso, anotar as medidas dos pratos escolhidos em um caderno ou bloco de notas ajuda muito a acertar o ponto daquela refeição especial que você está pensando em fazer. Uma outra ideia é criar o seu próprio livro de receitas. Assim, cada vez que você se interessar por alguma, pode adicioná-la em seu exemplar.

Dessa forma, você não precisará recorrer o tempo todo à internet para fazer o seu jantar delicioso  nem precisará forçar sua mente para lembrar da receita completa e de suas medidas.

Principais utensílios de medida

Como dito, é muito importante ter utensílios certos para realizar as suas medidas corretamente. A seguir apresentamos os principais utensílios de medidas essenciais para uma cozinha, bem como suas funções.

  • Xícaras medidoras: ideais para medir alimentos secos. Podem ser encontradas em inox, plástico, nylon, porcelana etc. Também são disponibilizadas em diversos modelos para enfeitar sua cozinha.
  • Colheres medidoras: servem para pegar a quantidade correta recomendada pela receita, assim, a dúvida se é uma colher cheia ou rasa não existirá mais. Elas vêm em kits e contêm várias proporções de medida: ½ colher de chá e ½ colher de sopa, por exemplo.
  • Copo de medida: esse é o mais utilizado pelas cozinheiras e pode ser encontrado a preços bem acessíveis. Ele mede tanto massa quanto capacidade.
  • Balança digital: recomendada para medir maiores quantidades de massa a seco. É um item muito fácil de usar e tem a função tara, que auxilia a medir a balança utilizando um refratário.

É muito importante utilizar medidas na cozinha. Afinal, quantificar os ingredientes de forma correta é garantia de sucesso e qualidade na sua refeição. Um outro benefício é a economia dos alimentos, pois, sabendo a proporção certa a ser utilizada, você economiza tanto nas compras dos produtos quanto na sua utilização durante o preparo dos pratos.

E aí? Gostou do nosso post? Então, aproveite a sua visita à nossa página para conhecer mais sobre os utensílios para medir!