comemoração após escolha do cardápio para jantar com amigos

Cardápio para jantar com amigos: o que servir?

Um jantar entre amigos é, com certeza, uma das formas mais agradáveis de se reunir com quem se gosta. O evento pode ser realizado para celebrar alguma ocasião especial, como aniversários ou a inauguração da casa nova. Pode, ainda, ser apenas uma “desculpa” para estar em contato com seus conhecidos e pessoas cuja companhia é agradável. Por isso, vale a pena analisar muito bem o que vai servir e preparar no cardápio para jantar com amigos.

Só assim você consegue planejar um delicioso encontro, de acordo com as preferências dos convidados. Conhecer bem seus gostos, aliás, é uma das etapas mais importantes. Assim, você evitará ocasiões desagradáveis, caso algum deles tenha, por exemplo, restrições alimentares.

Quer ver algumas sugestões do que servir? Quer montar um cardápio para jantar com amigos da melhor maneira possível? Então, acompanhe o post e saiba mais!

Como montar um cardápio completo?

Entre amigos, não é preciso ter frescura. Mas, caso você queira fazer um jantar mais formal, vale a pena montar um cardápio com entrada, petiscos, prato principal e, claro, sobremesa. Não se esqueça de determinar o orçamento para o jantar, de tal modo que não gaste mais do que deveria.

Petiscos

Uma reunião mais descontraída pede petiscos, e nem sempre eles precisam ser muito elaborados. Bruschettas, pão de alho, calabresa acebolada, bolinha de queijo, chips de provolone: tudo isso funciona muito bem como petisco.

Entradas

Uma bela salada é sempre uma ótima opção de entrada. Ela pode vir acompanhada de torradas com queijos e patês, para que os convidados “forrem” o estômago antes do prato principal.

Prato principal

Para economizar no prato principal, mesmo assim obtendo êxito na proposta, a dica é investir em ingredientes locais e fáceis de encontrar na época. Vale a pena optar por massas e grãos, sem esquecer dos caldos. São simples de preparar, rendem bastante e agradam sem que você precise gastar muito.

Sobremesa

A sobremesa fecha com chave de ouro o seu jantar. Considere a época em que o jantar está sendo realizado. Meses mais quentes, como no verão, pedem sobremesas geladas e mais refrescantes. Já nos períodos de outono e inverno, é conveniente investir em receitas mais cremosas, como o chocolate quente ou um delicioso bolo.

O que servir no seu jantar com amigos?

Tenha em mente que a ideia não é deixar você preso à cozinha enquanto todos se divertem e batem papo em sua sala de estar. É interessante escolher opções práticas e deixar alguns pratos previamente preparados para agilizar os processos de servir. Veja outras sugestões de pratos, entradas e sobremesas que podem compor o seu cardápio para jantar com amigos.

Almofadinhas de atum em massa folhada

Para essa receita, você precisará de: 2 latas de atum, 1 cenoura cortada em cubinhos, 1 cebola picada, 1 tomate também em cubinhos, 1/2 pimentão picado, queijo ralado, vinho branco, massa folhada e 1 gema de ovo (opcional).

Junte cebola e pimentão picados em um tacho e refogue no azeite. Quando começar a dourar, junte o tomate e a cenoura. Regue tudo com vinho branco até que pelo menos metade da mistura esteja coberta. Em seguida, acrescente o atum. Refogue tudo por mais alguns minutos e retire do fogo para esfriar um pouco.

Corte a massa folhada ao meio e encha cada uma das metades com a mistura preparada (já morna ou fria, para que a massa não derreta e você consiga enrolar). Coloque o queijo por cima. Junte as metades e cole as bordas para que o recheio não vaze. Você pode pincelar a massa com gema de ovo, a fim de conseguir um aspecto dourado.

Leve ao forno pré-aquecido em 180° até dourar a massa.

Broa frita com embutidos

Uma ótima opção de entrada é a broa frita com algum embutido, como salame ou linguiça. Para fazer, você precisará somente destes três ingredientes: broa, azeite e o embutido. As quantidades realmente dependerão do número de convidados do seu jantar.

Comece assando a linguiça no forno. Enquanto isso, parta a broa em pedaços pequenos, cerca de 1 cm. Em uma frigideira, derrame um fio de azeite e, quando esquentar, frite os pedacinhos de broa dos dois lados. Coloque a broa frita para repousar. Isso pode ser feito em papel absorvente.

Retire a pele do embutido e cubra as fatias de broa com ele. Pronto, agora é só servir!

Strogonoff de frango

Não existe prato mais tradicional, saboroso e que agrade tanta gente como um strogonoff. Além disso, é uma receita bem prática de ser feita. Você precisará de 4 peitos de frango, 2 latas de cogumelos laminados, 1 cebola pequena, 1 copo de vinho do porto, 1 colher de sopa de polpa de tomate, azeite, noz-moscada, sal e pimenta.

Prepare os peitos de frango e corte-os em cubos. Refogue a cebola picada até dourar e, então, acrescente a polpa de tomate, os cubos de frango e os cogumelos. Doure por alguns minutos e aí acrescente o vinho do porto. Tempere a gosto com o sal, a pimenta e a noz-moscada, até que a mistura comece a engrossar. Sirva acompanhado de arroz branco ou alguma massa.

Mousse de chocolate

Uma deliciosa mousse pode agradar muito, especialmente sendo de chocolate. Você precisará de 3 claras de ovos, um tablete de chocolate meio amargo, 1 lata de creme de leite e 3 colheres de sopa de açúcar.

Comece aquecendo o creme de leite em banho maria. Pique o chocolate e junte ao creme de leite, mexendo para que a mistura fique homogênea e consistente. Reserve.

Em outra panela, junte as claras e o açúcar. Leve ao fogo baixo sem parar de mexer por cerca de três minutos. A ideia aqui não é cozinhar esse preparado. Por isso, pode tirar a panela do fogo algumas vezes ao longo dos três minutos. Em seguida, prossiga para uma batedeira durante cinco minutos até que o volume esteja dobrado.

Acrescente a mistura de chocolate, mexendo levemente. Coloque tudo em uma travessa grande ou em pequenas taças para servir. Deixe por duas ou três horas no freezer. Pode decorar com raspas de chocolate ou um pouco de chantilly, se quiser.

Com o que mais se deve ter atenção?

Ter uma lista de convidados é importante, mas não se atenha ao número exato de convidados constante nela. Sempre pode aparecer algum convidado extra, certo? Por isso, o ideal é não comprar ou preparar a quantidade exata de comida e bebida. Ainda que não apareçam convidados a mais, alguém pode querer repetir suas propostas gastronômicas.

Quando o assunto for bebida, não se limite apenas a bebidas alcoólicas. Algum convidado pode não ser adepto delas. O mesmo vale para os refrigerantes: apresente opções de sucos e água para agradar a todos.

Decore o ambiente e invista em utensílios. Eles mudam a cara da sua casa e certamente agradarão aos convidados. Um DVD pode passar na TV enquanto todos conversam, ou mesmo uma música ambiente pode ser tocada bem baixinho, para não atrapalhar a conversa.

Com essas dicas, qualquer cardápio para jantar com amigos será uma delícia e um verdadeiro sucesso.

Agora que você já resolveu o cardápio do seu evento, que tal  aproveitar para conhecer os acessórios de mesa de jantar que não podem faltar?

 

cozinha com decoração retrô

Decoração retrô: volte ao passado com estilo

O estilo retrô faz a cabeça e encanta muita gente. Algumas pessoas gostam de experimentar a estética “de volta ao passado” até mesmo em seu estilo de vida.  E não é incomum aquela sensação de ter “nascido na época errada”. Esse é o seu caso? Mesmo que não seja, pode-se dizer que, se chegou até este post, é porque a decoração retrô de alguma maneira atrai e cativa você, certo?

Isso é muito fácil de explicar. Afinal, a decoração retrô impressiona e é indicada para qualquer tipo de ambiente, deixa os espaços mais harmoniosos e cheios de estilo. Se você acredita que investir nesse tipo de decoração é uma tarefa complicada, elaboramos este post para ajudar você a pensar diferente.

Com as orientações adequadas, você terá mais conhecimento a respeito do estilo retrô e poderá brincar com seu uso e suas particularidades. Confira!

O estilo retrô na decoração

O retrô é um estilo de decoração dinâmico, bastante influenciado pelas décadas de 1950, 60 e 70. Reúne características visualmente impactantes, que podem impressionar até a quem não gosta dessa proposta. A decoração retrô abusa das linhas retas e tem um ar de sofisticação. A mobília é um pouco mais baixa e alongada, mas normalmente as cadeiras e mesas trazem as pernas longilíneas e pontiagudas. Os sofás são mais compridos; e as poltronas, arredondadas.

A cor é um ponto marcante na decoração retrô. Costuma ser um toque ousado e é comum optar pelas tonalidades mais fortes, acentuadas e ao mesmo tempo sóbrias, como o vermelho, azul, lilás, o verde e o rosa. Um toque de preto e branco (sobretudo no piso), em meio a tudo isso, não será demais.

As cores neutras também são uma boa pedida. Caso a ideia seja montar um ambiente menos ousado, pode-se utilizar o bege, branco, creme e a cor crua. O retrô traz uma releitura dos móveis e objetos que já foram “moda” em outras épocas, mas que ainda são produzidos.

A decoração retrô na sua cozinha

Você certamente já viu alguma foto de uma cozinha inspirada na década de 50 ou 60. O principal item que representa esse estilo é a geladeira. O refrigerador em estilo retrô aposta nos tons vibrantes, como vermelho, laranja ou amarelo, e pode ser combinado com as paredes no mesmo tom. Vai bem ainda com os demais eletrodomésticos, que podem ser igualmente coloridos.

Essa combinação certamente deixará a cozinha mais divertida. O piso pode remeter às lanchonetes dos anos 50, com o quadriculado em preto e branco, outra marca muito forte do estilo nesse ambiente.

Um quarto que remete ao passado sem perder o estilo

O quarto é uma área de descanso e aconchego, que ao mesmo tempo reflete muito a personalidade de quem usa esse cômodo. Portanto, os detalhes retrô devem estar balanceados, respeitando essas questões.

Alguns itens podem auxiliar você na decoração retrô do seu quarto. Por exemplo, aposte em almofadas de crochê para decorar a cama ou a poltrona. As mantas de patchwork são uma boa opção para complementar o estilo. Por falar em cama, ela pode ter os pés de madeira alongados, conhecidos como “pés de palito”.

O papel de parede certamente é outro detalhe incrível para garantir que o seu quarto esteja por dentro da decoração retrô. A padronagem pode ser floral, geométrica, com listras, bolas ou mesmo ilustrações de objetos que remetam à época, como as máquinas fotográficas, telefones e as bicicletas.

Ainda para decorar as paredes, você pode contar com os pôsteres ou quadrinhos que façam referência àquelas épocas. Caso você seja fã de alguma personalidade que marcou essas décadas, pode ser o momento de utilizar a figura dela para decorar o quarto. Você pode usar ainda alguns objetos para finalizar a decoração, como telefones antigos, relógios ou mesmo uma máquina de escrever.

O banheiro retrô pode ser uma boa ideia

Não podemos deixar a decoração do banheiro de lado, não é mesmo? Uma das primeiras dicas é pensar nas paredes. A “meia parede” era tendência na época, portanto você pode utilizar uma cor ou revestimento de madeira do rodapé até a metade dela e se valer de um papel de parede diferente, colocando-o do meio até o teto.

O piso pode seguir o estilo quadriculado proposto para a cozinha, porém com desenhos menores. As bolinhas também são uma boa sugestão. Caso a ideia seja garantir um banheiro mais aconchegante, você pode utilizar o piso de madeira. Mas vale destacar que é preciso escolher um material com tratamento impermeável ou madeira sintética. É bom também atentar para certos cuidados, como manter o box fechado, onde exatamente se vai colocar o piso, entre outros.

Um espelho redondo (ou, pelo menos, com bordas arredondadas) sobre a pia também entrega o estilo com muito charme. Se houver espaço, não abra mão de instalar uma bela banheira branca arredondada, com pés rebuscados. Nada mais característico do que contar com esse item no seu banheiro!

Dicas de iluminação para combinar com esses ambientes

Pensar em iluminação é essencial para finalizar os seus ambientes. É ela que ajuda a destacar os pontos que merecem realce. Também confere mais aconchego e vida para os diferentes cômodos. As luminárias do tipo pendente foram as peças mais utilizadas para compor a iluminação por volta da década de 50 a 70. Podem ser usadas sozinhas ou em trio. Os pendentes ajudam a criar uma iluminação mais intimista no espaço.

A proposta é autêntica, portanto as peças podem ser coloridas e estampadas. Para a cozinha, o mais indicado é que a iluminação auxilie na preparação dos alimentos. Por isso, o pendente precisa ser mais “aberto” para que a luz se propague.

Você pode usar uma luz focal mais específica para destacar algum móvel ou elemento decorativo no seu quarto. Se a ideia for iluminar o ambiente por completo, atente para que o fio do pendente seja mais curto (no máximo com 20 cm de distância do teto).

Onde encontrar os itens de decoração retrô

É mais fácil encontrar os itens de decoração retrô em lojas especializadas. A internet pode ser a sua melhor opção. Inclusive, é conveniente informar que a loja virtual da La Ville está recheada de peças bonitas e inovadoras para a sua casa, não só neste, mas também em outros estilos maravilhosos.

Como se pode perceber, não só na decoração contemporânea é possível encontrar harmonia e bom gosto, não é mesmo? A decoração retrô pode sim causar deslumbramento, com muito charme, simplicidade e uma estética bastante singular.

E você, gostou de conhecer as dicas de decoração retrô? Deseja acrescentar alguma nova ideia ou esclarecer alguma dúvida? Deixe aqui o seu comentário com sugestões ou perguntas.

 

Alguns tipos de vinhos: vinho tinto, branco e rosé.

5 tipos de vinhos que você precisa experimentar

Tem coisa melhor do que reunir a família ou receber amigos para um jantar descontraído? Deleitar-se com um bom prato, acompanhado por um vinho à altura, é um hábito que tem caído cada vez mais no gosto do brasileiro. Mas para não fazer feio na recepção aos convidados, é importante conhecer alguns tipos de vinhos e entender qual a melhor maneira de apreciá-los.

Está mais do que comprovado: além de fazer bem à saúde, contribuindo para o bom funcionamento do organismo, o vinho agrada muitos paladares e harmoniza com diversos alimentos.

Mas não pense que basta escolher uma garrafa qualquer na adega do supermercado para acompanhar aquele prato que só você sabe fazer. Existem muitos tipos de vinhos e não é fácil saber qual comprar. Por isso, é essencial conhecer um pouco de cada um.

Além de avaliar a embalagem, é recomendado analisar a cor da bebida. Para os tintos, por exemplo, a cor âmbar pode indicar que a bebida não está boa. Já os brancos, caso estejam amarelados, é sinal de que estão oxidados. Outra dica é quanto ao estado de conservação da cápsula (aquela capinha metálica que cobre a tampa) e a própria rolha.

Também é fundamental verificar se a temperatura do vinho está adequada na hora de servir. Os vinhos tintos devem ser servidos entre 14ºC e 18ºC, nunca gelados.

Já com os brancos acontece o contrário: para serem melhor apreciados, devem ser servidos a temperaturas de 6ºC a 12ºC. A melhor opção é deixar a garrafa em um balde de gelo enquanto é degustado.

Antes de continuarmos o assunto, um último lembrete: não se esqueça de que servir o vinho na taça correta é fundamental para cada opção escolhida.

A seguir, preparamos uma lista com alguns tipos de vinhos que vão tornar o seu evento mais do que especial. De quebra, você ainda confere quais são as comidas que mais combinam com cada um deles. Vamos lá?

1. Vinho tinto

O vinho tinto é produzido com uvas pretas ou vermelho-escuras. Sua tonalidade pode variar, dependendo da uva e da metodologia utilizada na produção. Quando se trata de popularidade, esse é o tipo mais preferido pelos brasileiros.

Em sua elaboração, deixa-se o mosto em contato com a casca o maior tempo possível. Para fazer o vinho tinto, é claro que se precisa de uva tinta, pois uma uva branca não daria cor suficiente — e poderia deixar o vinho com uma cor estranha.

Cabernet Sauvignon

A variedade de uva mais utilizada para a produção do vinho tinto é a Cabernet Sauvignon. Essa espécie é cultivada na França, Chile, Brasil, Estados Unidos, Itália, Austrália e África do Sul. Não à toa, é responsável pelos melhores rótulos do mundo. O resultado é um vinho seco encorpado, aromático e muito saboroso.

Carménère

Outra variedade bastante conhecida e que vale experimentar é a Carménère. Ela é de origem francesa, mas hoje em dia é praticamente cultivada apenas no Chile. Os vinhos dessa uva são mais escuros e seu aroma lembra frutas vermelhas.

Merlot

A Merlot é uma uva igualmente popular. É mais parecida com a Cabernet Sauvignon, mas com menos tanino e bem mais suave. Também é cultivada principalmente na França e no norte da Itália, podendo ser encontrada no Brasil e no Chile.

Lambrusco

Para quem gosta dos vinhos frisantes, mais doces e com pouco teor alcoólico, o Lambrusco é uma boa opção. É típico da Itália, mais especificamente da Emília-Romagna, porém popular no Brasil.

Malbec

Francesa por natureza, essa uva chegou à América Latina e se deu muito bem nos terrenos da nossa vizinha Argentina, principal produtora do Malbec hoje, mais especificamente na região de Mendoza.

Os vinhos provenientes dessa uva são tipicamente escuros e densos. Seu aroma lembra frutas de coloração forte, tais como cerejas maduras, ameixas, morangos e anis — características que conquistaram os paladares dos brasileiros.

Pinot Noir

O Pinot Noir é um dos mais prestigiados do mundo. É um vinho seco encorpado e com sabor mais delicado. É uma variedade que oferece elegância e finesse, com aromas de morango silvestre.

Tempranillo

Como o nome sugere, essa é uma uva tipicamente espanhola e que amadurece precocemente. Ela se adapta facilmente a diferentes climas, por isso também pode ser encontrada em Portugal, Argentina, Austrália, Estados Unidos e África do Sul.

Os vinhos produzidos com essa uva possuem uma acidez equilibrada e teor alcoólico de nível médio a alto. Sua textura é macia, com aromas de morango, amora, mirtilo, cereja, framboesa e ameixas.

Também são famosas — e valem a pena experimentar — as uvas para vinhos Syrah e Tannat, entre muitas outras.

Harmonização

Na hora de combinar a comida com os tipos de vinhos, vale a dica: pratos com sabor mais intenso devem ser combinados com vinhos de sabor intenso também.

Os tintos vão bem com sopas, massas e carnes vermelhas. Os tipos mais leves podem acompanhar peixes mais gordurosos, como o bacalhau, e carnes brancas, como frango e porco. Os queijos fortes também se incluem nessa lista.

2. Vinho branco

O vinho branco é produzido principalmente pelas uvas brancas. Você deve estar se perguntando: como assim “principalmente”?

Isso mesmo, também há brancos feitos de uvas tintas. Isso porque, neste caso, a bebida é feita com a polpa da fruta, e não com a casca. Ou seja, não há contato com as cascas avermelhadas ou escuras durante a sua preparação.

Entre os tipos de vinhos, esse é um dos mais refrescantes. Deve ser servido quando sua temperatura estiver entre 8ºC e 12ºC, o que o torna ideal para ser degustado em dias quentes.

Com aromas frutados, o vinho branco é leve e possui baixa acidez. Por essas características, é a melhor opção para acompanhar peixes e frutos do mar.

Chardonnay

Se tem uma variedade que pode ser considerada a “rainha das uvas”, é a Chardonnay. Se você gosta de apreciar um bom vinho branco, certamente já a experimentou. É um tipo popular e está espalhado pelo mundo todo, uma vez que é fácil de cultivar e vinificar. Suas origens são da Borgonha (na França), mas pode ser encontrada na Austrália, Argentina, África do Sul, Estados Unidos, Chile e Brasil.

Essa variedade tem um aroma de frutas exóticas, pêssegos, melão e frutas cítricas. Ela passa por um longo processo de maturação em madeira, o que dá um sabor peculiar e encorpado ao vinho.

Sauvignon Blanc

A uva Sauvignon Blanc é uma das mais plantadas no mundo e também tem origem na França. Há opções de vinhos secos, doces ou suave. Refrescante, possui boa acidez e leveza, com aromas minerais e frutados.

É uma boa pedida para pratos com peixes grelhados, frutos do mar e cozinha japonesa.

Moscatel

Também chamado de Moscato ou Muscat, são várias as denominações e a sua nomenclatura depende da região em que esse vinho for produzido.

A Moscatel é mais uma uva bastante conhecida e que está presente mundo afora, especialmente na região da Alsácia (na França), em Portugal, Itália e Espanha. Essa variedade pode ser utilizada para a produção de vinhos secos ou doces.

Entre os seus aromas, destacam-se o de flor de laranjeira. É um tipo que harmoniza bem com peixes leves e sem molho.

Gewürztraminer

Esse nome complicado com pronúncia alemã, na verdade, é de um vinho típico do norte da Itália. Claro que, ao provarem essa delícia suntuosa, os alemães e franceses passaram a produzi-lo com alta qualidade em suas regiões de clima extremamente frio.

Esse vinho possui uma cor amarelo-dourado e tem um intenso aroma de canela, pimenta-do-reino, noz-moscada, rosas e gengibre. É perfeito para qualquer momento. Combina bem com entradinhas de queijos ou canapés, assim como pratos de camarões ou lagostas.

Riesling

Essa uva é matéria-prima para vinhos secos ou doces, elegantes e intensos. Os mais famosos do mundo são de origem francesa, alemã e austríaca. Com sabor fresco, é frutado e leva um toque de flores e ervas.

Os vinhos Riesling são bastante aromáticos e se apresentam como ótimas opções para acompanhar carnes brancas e peixes frescos — aposta certeira para um almoço de domingo.

Pinot Blanc

Essa uva, que também é conhecida como Pinot Bianco, é originária da Alemanha e da vizinha região francesa da Alsácia. Também é cultivada em Borgonha, nordeste da Itália.

Versátil, é uma uva utilizada na produção de espumantes e em alguns doces para sobremesa.

O vinho feito com essa uva varia de médio a encorpado, tem boa acidez e responde bem ao amadurecimento em carvalho. Seu aroma se caracteriza por notas de amêndoas, toques florais e especiarias. No sabor, predomina a maçã.

Harmonização

Os vinhos brancos são melhor apreciados quando degustados com peixes e frutos do mar, conforme adiantamos. Nada de servi-lo com comidas mais pesadas, como carnes vermelhas e muito temperadas.

Risoto de camarão, frango, vitela, porco, peixes defumados, sopas e massas (dependendo do recheio) são alguns pratos que combinam com essa variedade.

3. Vinho rosado

O vinho rosé (ou rosado) é o meio-termo entre o branco e o tinto. Esse é um dos tipos de vinhos mais prestigiados, com alta popularidade. Se você nunca o experimentou, é bem provável que, ao fazê-lo, também ficará encantado. A fama é resultado de características que o tornam extremamente elegante.

Ele pode ser produzido de diversas formas. Pode ser feito como o tinto, mas nesse caso as cascas ficam menos tempo em contato com o vinho. Assim fica um pouco de cor, mas não tanto.

Outra forma, muito utilizada na Europa, é misturar um pouco de vinho branco com outro tanto de vinho tinto. Claro que a qualidade do vinho será diferente.

Após a obtenção da tonalidade, o processo de elaboração segue os moldes do vinho branco. O resultado é uma bebida leve, fresca e frutada.

As uvas para vinhos rosados mais utilizadas em sua elaboração são Carbenet Sauvignon e Franc, Malbec, Merlot, Pinot Noir e Syrah, entre outras.

Harmonização

Não tem erro. Se você sabe combinar pratos com vinhos brancos, vai acertar com os rosés. Peixes, saladas, frutos do mar, queijos leves e carnes brancas formam dobradinhas perfeitas.

4. Tipos de vinhos espumantes

Não tem como pensar em um evento especial e não se lembrar dos espumantes. Se você pretende organizar uma festa, não tenha dúvida: a escolha pelo espumante será mais do que certa. Mas você conhece cada um deles?

É comum as pessoas confundirem o frisante com o champanhe ou espumante. Basta ter borbulhas e pronto: o vinho passa a ser classificado como espumante. Mas não é bem assim.

Frisantes

Os frisantes são menos gaseificados e, por isso, não apresentam espuma (aquelas borbulhas). Esse tipo de vinho é elaborado a partir de um único processo natural de fermentação da uva, quando o gás carbônico é produzido.

Outra característica é o teor alcoólico. Em alguns casos, os frisantes podem apresentar menor graduação alcoólica (de 7% a 14%, segundo o Instituto Brasileiro do Vinho — Ibravin), enquanto nos espumantes o teor alcoólico é a partir de 10% até 13%.

O vinho frisante mais famoso é proveniente da Itália. São os chamados Lambruscos, que já mencionamos anteriormente.

Champanhe

Dos tipos de vinhos espumantes, este é considerado o mais original. A bebida é produzida nos vinhedos de uma região chamada Champagne, situada na França. Somente os vinhos produzidos nessa área, de clima bastante frio, podem ser chamados assim.

A exclusividade e sofisticação são garantidas graças ao altíssimo controle de qualidade pelos quais passam as vinícolas que os produzem. Desde a procedência das uvas utilizadas até o estilo de vinificação empregado na elaboração, tudo é rigorosamente controlado. Tudo isso garante à bebida o selo de certificação europeu.

Naturalmente fermentado, o vinho é elaborado com uvas Pinot Noir, Chardonnay e Pinot Meunier. Possui aromas e sabores exclusivos, com acidez e leveza na medida certa. Sem dúvida, é um vinho cheio de personalidade e perfeito para abrir o apetite.

Pratos à base de frutos do mar, como camarão, salmão e lagosta, harmonizam muito bem com ele.

Espumante

No vinho espumante, o gás carbônico nasce a partir da segunda fermentação. Para a sua elaboração, são utilizadas uvas específicas que dão a esse tipo uma característica de vinho fino.

Entre os tipos de vinhos classificados como espumantes estão:

  • Prosecco: essa uva (originalmente chamada de Glera) é de origem italiana (da região do Vêneto) e, claro, um dos nomes mais famosos entre os espumantes. Acumula altos níveis de açúcar e aromas, o que lhe confere uma acidez perfeita para esses tipos de vinhos.
  • Cavas: esse é o espumante da Espanha (mais especificamente, da Catalunha). Possui um sabor frutado e doce, o que agrada muitos paladares e o torna bastante popular na região.

Harmonização

Os espumantes são excelentes opções para coquetéis e aperitivos, no acompanhamento de entradas, saladas, carnes suaves e sobremesas. Camarões, carpaccio, canapés e caviar são algumas opções. A bebida também cai bem com frutos do mar, como lagosta e salmão, assim como carnes brancas.

5. Tipos de vinhos quanto ao açúcar

O vinho pode ser seco, meio-seco (ou demi-sec) e suave. O que vai variar é a quantidade de açúcar residual na bebida. Ou seja, quanto açúcar ficou após a fermentação do mosto da uva.

Vale lembrar que, em alguns casos, o açúcar é adicionado depois da fermentação para se atingir a quantidade estabelecida na legislação.

Para descobrir se o vinho é suave ou seco, é preciso prestar atenção no rótulo. Nos vinhos nacionais, essa informação vem no rótulo principal. Já nos vinhos importados, ela pode estar na parte posterior da garrafa.

Seco

Os vinhos secos, sejam eles tintos ou brancos, sãos aqueles que não apresentam sabor adocicado e, com certeza, os mais consumidos todos os dias em todo o mundo. Cada litro possui, em média, de 0 a 5 gramas de açúcar. Também é conhecido como vinho de mesa.

É durante o processo de fermentação que praticamente todo o açúcar da uva é transformado em álcool. Por isso é mais difícil para as pessoas que estão iniciando com a bebida começar por eles.

No entanto, é considerado o melhor entre todos os tipos de vinhos pelos enófilos mais experientes. Com teor alcoólico entre 10% a 13%, é um equilíbrio perfeito de sabores e aromas.

Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah e as demais castas da espécie Vitis vinifera são algumas das uvas nobres utilizadas na elaboração dos vinhos tintos secos.

Os brancos secos são principalmente elaborados com as uvas Chardonnay, Moscatel e Sauvignon Blanc, entre outras.

Harmonização

Na hora de servir, prefira os vinhos secos para acompanhar massas com molho de tomate, carnes vermelhas, frango assado ou cozido, queijos amarelos e frios em geral, além, claro, a boa e velha pizza.

Suave

Esse é um vinho de qualidade um pouco questionável. Existem os vinhos naturalmente doces, que podem ser excelentes. Porém há vinhos suaves adoçados artificialmente, o que contribui para uma má fama entre os mais experientes no mundo dos vinhos. Tanto um quanto o outro têm como característica principal o alto teor de açúcar.

A diferença entre o suave e o seco está na forma de produção. Neste caso, a fermentação é interrompida para parar a transformação do açúcar em álcool. Todo o açúcar restante é o que dá o sabor adocicado à bebida.

Justamente pela grande quantidade de açúcar (cerca de 20 gramas por litro), os vinhos suaves acabam agradando muitos paladares, sobretudo aqueles dos iniciantes. O sabor adocicado é bastante presente, com taninos e acidez sutis.

O vinho doce também pode ser elaborado com as uvas viníferas, como Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinot Noir e Chardonnay. No entanto, é comum encontrar vinhos suaves elaborados com as uvas produzidas para consumo e vendidas em feiras livres e supermercados.

Harmonização

O vinho doce é também conhecido como vinho de sobremesa. Logo, é uma ótima opção para acompanhar pratos adocicados. Também vale experimentar o contraste desse tipo de vinho com os queijos azuis.

Mas lembre-se: assim como as saladas temperadas com vinagre não combinam com vinho, as sobremesas à base de chocolate são somente acompanhadas de água.

Meio-seco

Também conhecido como demi-sec. Como a nomenclatura sugere, o vinho meio-seco fica no meio do caminho entre o seco e o suave. O teor de açúcar pode variar de 5 a 20 gramas de glicose, o que o faz ser um vinho tanto mais próximo do seco quanto do suave, com sabor mais adocicado.

Geralmente, esse vinho é mais frutado e possui notas de frutas vermelhas e flores. Também é proveniente das variedades da Vitis vinifera.

Harmonização

O meio-seco também combina com sobremesas. Para pratos principais, a melhor pedida para os demi-secs são as carnes brancas, como porco e frango.

Licoroso

O vinho licoroso, segundo o Ibravin, é o vinho com teor alcoólico natural ou adquirido de 14% a 18% em volume. Esses vinhos têm a característica de ser bem mais alcoólicos que os vinhos finos e de mesa e, em regra, são mais adocicados ou com características bastante peculiares.

São famosos os vinhos licorosos do Porto e de Xerez, que são dois produtos que possuem Denominações de Origem, ou seja, a certificação de qualidade internacional. Costumam ser tomados como aperitivos ou após as refeições.

Depois de conhecer tantos tipos de vinhos, é só escolher o que mais agrada o seu paladar (e o dos seus convidados) e organizar um evento megaespecial.

Lembre-se de que os vinhos tintos combinam mais com pratos à base de carnes vermelhas, massas com molhos feitos com tomates, sem falar nas deliciosas pizzas.

Agora, se o cardápio do seu jantar for mais leve e incluir peixes e frutos do mar, escolha entre os vários tipos de vinhos brancos. Mas se for um almoço em dias quentes, que tal uma taça daqueles mais refrescantes e elegantes, como os rosés?

Guarde essa lista e consulte-a sempre que precisar. Se você não é um expert em vinho (como a maioria dos brasileiros), é mais do que normal não saber ao certo, entre tantos tipos de vinhos, qual é o ideal para cada ocasião.

E se você quer saber mais sobre uvas para vinhos, não deixe de conferir o nosso post sobre o tema para ficar ainda mais por dentro do assunto. Um brinde e bom proveito!

jogo de tabuleiro para noite de jogos

Momento de diversão: como criar uma noite de jogos com seus amigos?

Uma noite de jogos é uma ótima opção de diversão caseira e intimista para reunir os amigos. Pode-se dizer que a “moda pegou” e está virando uma tendência entre amigos, por ser um evento simples de organizar e que garante muita descontração. Sem falar que não é uma proposta cara para os bolsos dos parentes e conhecidos que você queira reunir em casa.

Separamos algumas dicas nesse post para ajudar você. Continue a leitura e saiba aqui como criar uma noite de jogos muito divertida com os seus amigos!

Selecione bem os jogos

Não faltam opções de jogos para a sua escolha. De tabuleiro a videogame, passando pela mímica, tudo isso pode engajar seus convidados na diversão coletiva! Não precisa escolher apenas um jogo para a noite inteira, mais de uma opção pode ser bem interessante. Assim, caso algum jogo perca a graça ao longo do encontro, a animação poderá continuar com propostas diferentes.

Escolha alguns periféricos legais

Outras atividades também podem acontecer em paralelo, especialmente se o seu grupo de amigos for grande. Enquanto alguns se divertem com os jogos de tabuleiro, por exemplo, outras pessoas podem preferir se esbaldar dançando em frente à TV com o Just Dance. É possível, ainda, cantar em um karaokê improvisado.

Todos podem revezar as atividades. Além de deixar todo mundo animado, a noite dificilmente cairá na mesmice.

Considere os jogos clássicos

Boas ideias de brincadeiras para unir os amigos são aqueles jogos clássicos que possivelmente todos conheçam. Banco Imobiliário, Jogo da Vida, War, entre tantos outros. É certo que todos já ficaram horas se divertindo com esses jogos na infância e adolescência. Será uma delícia relembrar os velhos tempos, não é?

O baralho também pode ser uma ótima sugestão. Afinal, com ele você pode aproveitar vários jogos diferentes: poker, turco, buraco, entre outros. Sem falar que os jogos não são difíceis de aprender.

Tenha um bom espaço para o jogo ser montado

Se os jogos escolhidos exigirem uma boa superfície para organizar e se desenvolver, como uma mesa plana, garanta que isso não será um problema quando todo mundo estiver reunido. O material necessário para jogar com conforto é fundamental para que tudo saia conforme você imaginou, e nada atrapalhe as brincadeiras dos participantes. Mesmo para se divertir, ter uma boa organização é fundamental.

Separe bebidas e petiscos

Passar horas se divertindo e jogando é ótimo, mas fica ainda melhor com petiscos e bebidas para beliscar, não é? Queijos e vinhos podem ser um arranjo delicioso e sofisticado. Mas os amigos podem preferir bolinhas de queijo, aipim frito e uma boa cervejinha. Que tal ainda uma pizza?

Contemple também as pessoas que não consomem bebidas alcoólicas: tenha refrigerantes e sucos à disposição. Também é uma boa opção separar alguns docinhos ou uma sobremesa para quando o nível da glicose ficar muito baixo.

Ou seja, aqui não existem regras: basta saber as comidinhas que mais agradam a todos os convidados e providenciar tudo certinho para o evento.

Faça uma enquete para contemplar a todos

É importante saber, antes do encontro, qual é a preferência do seu grupo de amigos, para que ninguém se sinta excluído ou acabe não se divertindo tanto quanto esperava. A solução é fazer uma enquete rápida para descobrir quais opções de jogos e comidas que mais encontram aceitação.

E então, está tudo pronto para realizar uma bela noite de jogos? Com uma boa conversa, bons amigos, comida, bebida e diversão garantida, é certo que o evento agradará e será repetido muitas outras vezes! Quem sabe surge aí uma nova tradição entre amigos?

Gostou dessas dicas? Então assine a nossa newsletter e receba outras como estas diretamente no seu e-mail!

uma bela mesa depois das dicas de como montar a mesa de jantar

Saiba como montar uma linda mesa de jantar

Organizar um jantar em casa é uma ótima forma de receber os amigos e familiares ou ter um momento romântico. Para que a ocasião seja prazerosa, é importante observar alguns elementos — como o que será servido, a quantidade das porções, as bebidas que harmonizam com o cardápio, entre outros.

Caprichar na decoração do ambiente também faz toda a diferença e pode realçar a refeição, além de demonstrar cuidado aos convidados. Por isso, é essencial saber como montar a mesa de jantar, de forma que os itens conversem entre si e formem uma experiência visual incrível.

Mas, como alcançar o melhor resultado? Para lhe ajudar, separamos algumas dicas para que você acerte nos detalhes e impressione os convidados. Confira!

Considere o uso da toalha de mesa

A toalha de mesa é um item praticamente obrigatório no enxoval, já que, além de proteger o móvel, ajuda a decorar o ambiente. É essencial que a peça seja do tamanho adequado e não fique desproporcional — ponto imprescindível para as superfícies redondas e que necessitam de uma toalha específica.

Na hora de escolher, é possível optar pelos modelos coloridos caso os outros itens ofereçam contraste. No entanto, tenha cuidado com estampas muito chamativas, já que podem deixar o visual confuso e o aspecto bagunçado.

As toalhas brancas são elegantes — e algumas contam com bordados que dão um diferencial à peça. Caso sua mesa tenha um design único e atraente, ainda dá para deixá-la sem o acessório e explorar a beleza da superfície.

Invista em sousplats

O sousplat é perfeito para ser disposto embaixo dos pratos, além de auxiliar a demarcar os lugares de cada convidado. Esse item é encontrado em diversos materiais e evita que o prato escorregue na mesa.

A escolha deve seguir a decoração base adotada. Se a toalha for estampada, opte por sousplats de uma única cor (presente na paleta). Caso ela seja branca ou a mesa esteja à mostra, é possível brincar com as cores e materiais — respeitando a temática e buscando a harmonia.

Aposte nos copos certos

Os copos devem seguir o estilo do jantar — dispor taças de vinho se a refeição será acompanhada por cerveja, por exemplo, pode arruinar a experiência, não é mesmo?

Prefira expor um conjunto completo de copos, afinal, não há nada pior do que uma parte dos convidados receber um modelo e outra ficar com itens diferentes. Pense sempre na unidade para acertar.

Para as taças de vinho, disponha peças ao lado para a água. As de cristal são ótimas opções, já que, além de bonitas, refletem a luz. As alternativas coloridas criam pontos de cor e levantam a decoração.

Não se esqueça dos talheres e pratos

Os talheres e pratos também precisam seguir o tipo de refeição servida. Uma sopa, por exemplo, não pode ser apreciada em um prato raso, certo? De forma similar, a faca para cortar a carne é diferente do modelo para peixes. Tudo isso deve ser levado em conta ao escolher.

Todos os itens devem estar limpos e em ótimo estado. Além disso, as peças têm que ser de um material resistente e adequado — aqui, os pratos de porcelana são a melhor alternativa.

Arremate com enfeites

Para arrematar com perfeição a tarefa de como montar a mesa de jantar, é interessante utilizar enfeites. Os centros de mesa são apostas elegantes e ocupam o espaço principal do móvel.

Os arranjos também ficam lindos se forem feitos com flores da época e de acordo com a paleta da decoração. Ainda dá para criar pontos de luz ao apostar em candelabros para um clima romântico. Preste atenção para que os enfeites fiquem em uma altura adequada e não atrapalhem a interação.

Ao oferecer um jantar, espera-se que a noite seja repleta de muita conversa, boa comida e um ambiente agradável. Com essas dicas de como montar a mesa de jantar, é possível arrumar o espaço de uma maneira convidativa e garantir uma experiência sem igual.

Gostou deste post e quer ainda mais inspirações? Então, conheça alguns acessórios para mesa de jantar que não podem faltar!